Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Reforço do caixa do FMI ainda é incerto

Ao anunciar o aumento dos recursos do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), os ministros de Finanças da zona do euro esperavam encerrar a polêmica sobre seu fundo e impulsionar as discussões a respeito da recapitalização do Fundo Monetário Internacional (FMI). A dúvida, entretanto, é saber como o incremento do MEE será recebido pela comunidade internacional, depois que alguns analistas da Europa classificaram a decisão como uma maquiagem.

CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2012 | 03h07

A preocupação é saber se, com a decisão de ontem, a Europa vai conseguir convencer seus parceiros de G-20 a injetarem dinheiro no FMI. A discussão é complexa: desde novembro de 2011, quando da cúpula do G-20 de Cannes, na França, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, Nicolas Sarkozy, vinham sendo pressionados a ampliar os recursos disponíveis em seu fundo de emergências. A ideia era que a Europa constituísse o que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chamou de "parede corta-fogo" contra a crise das dívidas. A ampliação do mecanismo tornou-se, então, uma condição para a recapitalização do FMI.

Desde então, a comunidade internacional esperava um esforço significativo por parte da Europa. Ontem, o ministro de Economia da França, François Baroin, comemorou a decisão sobre o MEE e disse acreditar que o FMI também receberá novos recursos. As discussões sobre o tema começarão na próxima reunião ministerial do G-20, no mês que vem. "A zona do euro estará em posição de força para discutir o financiamento do FMI em abril", garantiu.

De Washington, a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, sinalizou que compartilha da opinião de Baroin. Em comunicado, ela parabenizou os ministros europeus por terem tomado uma decisão que apoiará os esforços para o aumento dos recursos do fundo monetário.

Apesar do otimismo dos executivos, não é certo que o aumento do volume de recursos do MEE consiga convencer os países do G-20. A eventual recapitalização do FMI contava com o apoio dos emergentes, inclusive do Brasil, desde que fosse acompanhada da redistribuição das quotas e do poder no interior do FMI. A.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.