Tiago Queiroz/Estadão
Samuel Pessoa, pesquisador do Ibre/FGV: sob as mesmas regras, comportamentos semelhantes Tiago Queiroz/Estadão

Reforma da Previdência deve levar brasileiro a poupar mais

Mudança em discussão no Congresso pode ameaçar noção de aposentadoria garantida, incentivando população a ampliar reservas, dizem economistas

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

13 de maio de 2019 | 05h00

Bem inferior à média global, a taxa de poupança do Brasil é hoje uma das menores entre os principais países da América Latina (exceto Argentina), “lanterninha” entre os Brics (grupo que inclui Rússia, Índia, China e África do Sul) e baixa em relação à maior parte das nações desenvolvidas. Em 2017, o índice brasileiro era de 14,8% do Produto Interno Bruto (PIB). Apesar de ser influenciada pela crise econômica, a pouca disposição nacional em guardar dinheiro não é explicada só por ela. Segundo economistas ouvidos pelo ‘Estado’, o sistema de bem-estar social – que garante direito universal a educação, saúde e aposentadoria – é um fator que pesa mais na justificativa do fenômeno. 

A reforma da Previdência pode ser um incentivo para o aumento das poupanças individuais no País, apontam especialistas. Embora a Constituição de 1988 garanta acesso universal à saúde e à educação, o cidadão sabe que a qualidade dos serviços deixa a desejar. Não é o que ocorre com a aposentadoria: apesar do alerta dos atrasos recentes no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Norte, os benefícios são historicamente pagos em dia.

“Quanto mais a renda futura é garantida pelo Estado, menor o incentivo individual para poupar. O que as crises fiscais em nível estadual mostraram é que a garantia do Estado não é mais absoluta”, diz Mário Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco. O economista Simão Silber, da FEA-USP, lembra que o Brasil já gasta “mais que a média da OCDE, o clube dos países ricos, com aposentadoria”.

Como a “nova Previdência” deve resultar no pagamento de benefícios menores, parte da responsabilidade da renda após a aposentadoria será transferida ao cidadão – incentivando reservas. “A correlação é simples: se antevejo o descasamento entre minha renda e os desejos para o futuro, a poupança cresce”, afirma Ricardo Brito, professor da escola de negócios Insper.

Ao relacionarem o aperto na Previdência à elevação da poupança, economistas dizem que o exemplo mais concreto da tendência é a  China, onde a taxa de reservas subiu para quase 50% do PIB após a reforma previdenciária, mesmo com renda média semelhante à brasileira. A “mexida” nas aposentadorias também ampliou reservas em países como Chile e Itália, argumentam especialistas (veja quadro).

Brito, do Insper, rechaça a noção de que o brasileiro é pouco cuidadoso com as finanças. Para ele,  apenas a pequena parcela de trabalhadores que ganha mais do que o teto do INSS – de R$ 5,8 mil – teria hoje incentivo para poupar mais visando à aposentadoria. “O brasileiro seria imprevidente se tivesse uma expectativa de queda brusca de renda na velhice. Nas condições atuais, a poupança é suficiente, pois a taxa de reposição das aposentadorias (quanto se ganha em relação ao salário da ativa) é de cerca de 80%. É muito diferente do que ocorre lá fora.”

Pesquisa da FenaPrevi, federação que reúne os planos abertos de previdência privada, corrobora a confiança do brasileiro no sistema público: entre os entrevistados no levantamento realizado em 2018, 76% disseram que dependerão “muito” ou “totalmente” da renda do INSS após a aposentadoria. 

Com  redução de garantias, porém, o comportamento relativo à poupança tende a se alinhar ao de outras partes do mundo. “A evidência da teoria econômica é de que o ‘bicho-homem’ é mais parecido do que se imagina”, diz Samuel Pessoa, pesquisador do Ibre-FGV. “Sob as mesmas regras, as pessoas tendem a se comportar de forma semelhante. Se um chinês vivesse no Brasil, provavelmente pouparia menos.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Brasil perde ‘bônus demográfico’ e vê taxa de poupança encolher

Apesar de total de pessoas em atividade ter crescido, País viu índice de reservas cair de 23% para 15% em 40 anos

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

13 de maio de 2019 | 05h00

Os economistas dizem que explicar a queda da poupança do Brasil não é tarefa simples. Pela lógica, com o crescimento da população – e do total de cidadãos em idade economicamente ativa –, a taxa deveria ter aumentado de forma significativa, de acordo com Samuel Pessoa, economista e pesquisador do Ibre-FGV. No entanto, o economista diz que o Brasil desperdiçou o “bônus demográfico” e viu sua poupança cair em um terço desde os anos 1970. Na época, a taxa de reservas brasileira girava em torno de 23%; hoje, está abaixo de 15%.

A comparação com os anos 1970 faz sentido porque a época retrata uma realidade anterior à atual, em relação a três fatores: demografia (na época, a população era mais jovem), Previdência (o total de contribuintes era bem superior ao de beneficiários) e de contas públicas (o gasto primário da União girava em torno de 11%, metade do atual). O hipotético Estado de bem-estar social criado pela Constituição de 1988 deu garantias à população, estabelecendo uma série de “redes de segurança”, incluindo seguro-desemprego e Bolsa Família, argumenta estudo realizado por Pessoa.

Os benefícios instituídos pelo Estado reduziram a percepção de risco para o aposentado. O Brasil está hoje entre as dez que mais gastam com Previdência em uma lista de 101 países, segundo levantamento do pesquisador do Ibre-FGV. O custo dessa conta que não fecha, segundo o economista-chefe do Itaú Unibanco, Mário Mesquita, levou a um forte déficit da administração pública – principal responsável pela queda geral do índice da poupança. Ele pondera, porém, que as reservas privadas não subiram de patamar, contribuindo também para o problema. Para Pessoa, isso gera uma ciclo perverso: “Um país não cresce de forma sustentável sem poupar.”

Brasil x China. A China é considerada por economistas uma base válida de comparação com o Brasil porque ajuda a derrubar uma noção equivocada: a de que o brasileiro não poupa porque ganha pouco. Hoje, a renda média de chineses e brasileiros ainda é semelhante. “O que muita gente chama de reforma da Previdência, eu vejo como uma mudança cultural”, diz Ricardo Brito, professor do Insper e autor de um estudo que compara os dois países. “Na China, quem se aposenta consegue, com o benefício público, um porcentual baixíssimo do que ganhava na ativa. Eles são obrigados a guardar dinheiro para a velhice”, explica o professor do Insper. 

No Brasil, uma pesquisa feita pela FenaPrevi em 2018, mostrou que só 38% dos brasileiros dizem estar dispostos a separar parte da renda para uma reserva extra para a aposentadoria. Professor da USP, Hélio Zylberstajn, diz que a introdução do modelo de capitalização – um dos pilares do projeto do governo para a Previdência – poderá ajudar a mudar esse quadro. “Hoje, a ideia das pessoas é: ‘minha aposentadoria está lá, garantida’. Com a capitalização, a cabeça das pessoas terá de funcionar de outra maneira. O desenho do sistema influencia na disposição em poupar.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

‘As pessoas já entenderam que sistema está quebrado’, diz economista do Itaú

Para Mário Mesquita, população está mais aberta a discutir mudança no sistema de Previdência

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

13 de maio de 2019 | 05h00

Para o economista-chefe do Itaú Unibanco, Mário Mesquita, existem evidências de que o brasileiro está aberto à discussão das mudanças do sistema de Previdência. Segundo ele, com a redução das garantias estatais, deve haver um aumento da predisposição dos cidadãos a pouparem por conta própria. 

Leia os principais trechos da conversa do 'Estadão' com Mesquita sobre o tema:

O brasileiro ainda tem de aprender a poupar?

Há evidências de países asiáticos, e até mesmo o Brasil, de que a baixa renda também consegue poupar com planejamento. Acho que a gente passou por um período de democratização do crédito. E é natural que, nesse cenário, haja um predomínio do consumo presente em relação ao consumo futuro. Mas acredito que já houve um amadurecimento do consumidor brasileiro. Tanto que, mesmo com a taxa de juros no patamar atual (6,5% ao ano, o mais baixo da história), não está se vendo um “boom” de tomada de recursos no Brasil.

Se a política pública mudar, a disposição da população em poupar deve mudar?

Sim. Quanto mais a renda futura é garantida pelo Estado, menor o incentivo individual para poupar. O que as crises fiscais em nível estadual mostraram é que a garantia do Estado não é mais absoluta. O regime de benefício definido que a gente tem hoje só se materializa se a entidade mantenedora é solvente. Por enquanto, o governo tem resolvido essa questão com dívida, vendendo títulos a investidores. Mas isso tem limite. Se não tiver mais condições de tomar dívida para pagar aposentadorias, vai ter de fazer isso com inflação, imprimindo moeda.

O debate sobre Previdência no País está mais maduro?

O grau de conscientização da população sobre Previdência está aumentando muito. As pessoas têm a compreensão de que o sistema atual está quebrado e que não se sustenta no tempo. É claro que é mais fácil falar em termos difusos. Na hora de medir impactos, da discussão no Congresso, o apoio tende a cair.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.