Reforma da Previdência: você viu primeiro no 'Estadão/Broadcast'

Reforma da Previdência: você viu primeiro no 'Estadão/Broadcast'

Principais mudanças previstas na proposta apresentada nesta quarta-feira pelo governo Jair Bolsonaro foram antecipadas no dia 4 de fevereiro no site do 'Estado'

O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2019 | 16h55

O governo de Jair Bolsonaro encaminhou na quarta-feira, 20, ao Congresso sua proposta de reforma da Previdência. O projeto traz mudanças importantes nas regras para aposentadoria, como a idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 para homens, e endurece as exigências tanto para segurados do INSS e quanto para servidores públicos.

Os leitores do Estadão/Broadcast souberam com 16 dias de antecedência a espinha dorsal da reforma. Embora no dia 4 de fevereiro o governo tenha corrido para dizer que havia mais de uma proposta à mesa, a maior parte dos detalhes anunciados ontem pela equipe econômica já estavam na minuta obtida com exclusividade pela reportagem no dia 4 de fevereiro. Confira os principais pontos:


Idade mínima

A reportagem antecipou as idades mínimas que serão exigidas das categorias que terão regras especiais: professores (60 anos), policiais (55 anos) e trabalhadores rurais (60 anos). Nesses casos, as idades são as mesmas para homens e mulheres.

No caso da idade mínima para os demais trabalhadores, o Estadão/Broadcast revelou que a equipe econômica defendia 65 anos para homens e mulheres. O presidente Jair Bolsonaro decidiu, no entanto, reduzir a idade das mulheres para 62 anos.  

Políticos

Com relação aos atuais congressistas, o Estado também antecipou que eles terão de cumprir as idades finais do INSS (62 para mulheres e 65 para homens), com pedágio de 30% sobre o tempo que falta para a aposentadoria. O Estado revelou, ainda, que os parlamentares eleitos a partir de promulgação da reforma serão obrigados a contribuir para o INSS. 

Gatilho

A criação de um gatilho que vai aumentar automaticamente as idades mínimas para aposentadoria também constava da minuta antecipada pelo Estadão/Broadcast. Por esse mecanismo, a idade aumenta quanto maior for a expectativa de sobrevida dos brasileiros aos 65 anos.

Tempo de contribuição

O aumento do tempo mínimo de contribuição dos atuais 15 anos para 20 anos no INSS também constava da minuta e foi mantido na proposta do governo. Para os servidores públicos, o tempo mínimo de contribuição é diferente, 25 anos, como também constava na minuta.

Regra de cálculo

A nova regra de cálculo que exige 40 anos de tempo para ter direito a 100% do benefício também estava na minuta antecipada pelo Estadão/Broadcast.

Transição

Os detalhes da regra de transição para os trabalhadores que estão na ativa foi antecipada pelo Estadão/Broadcast. No dia 4, a reportagem revelou que, além da opção por pontos (em que se soma a idade mais o tempo de contribuição), também haveria a possibilidade de quem está muito próximo da aposentadoria pedir o benefício segundo as regras atuais, mas com incidência do fator previdenciário.

Assistência

Outro detalhe da proposta antecipado pelo Estadão/Broadcast foi que o atual benefício de prestação continuada (BPC) seria modificado e passaria a ser pago em fases e com benefícios do salário mínimo. No texto da minuta, o benefício para idosos de baixa renda começaria em R$ 500 aos 55 anos e aumentaria gradativamente. Após críticas, essa regra passou por ajustes e o pagamento começa aos 60 anos, R$ 400, mas chega a um salário mínimo aos 70 anos. Antes mesmo da minuta, a reportagem tinha revelado a intenção de separar benefícios assistenciais de previdenciários.

Servidores

A exigência de cumprimento das idades finais para que os servidores públicos que ingressaram na carreira até 2003 tenham direito à aposentadoria com o  último salário e reajustes iguais aos da ativa também foi antecipada pelo Estadão/Broadcast.

Assim como a possiblidade de alíquotas progressivas para contribuição desses funcionários públicos.

Estados e municípios

Estados e municípios poderão cobrar de seus servidores alíquotas extraordinárias para tentar reequilibrar suas previdências como também constava no texto da minuta divulgado no dia 4.

Pensão por morte e acúmulo de benefícios

A reportagem também antecipou as regras para pensão por morte e acúmulo de benefícios.

Multa do FGTS

Também foi o Estadão/Broadcast que informou, em primeira mão, que as empresas ficarão livres de pagar a multa de 40% sobre o FGTS quando demitirem um trabalhador que já está aposentado.

PMs e bombeiros  

A vinculação das regras de PMs e bombeiros às das Forças Armadas foi antecipada antes mesmo da minuta do dia 4.

Militares

O Estadão/Broadcast divulgou primeiro a intenção de permitir que militares da reserva exerçam atividades civis no governo sem a necessidade de cargos em comissão e a compensação que vai ser feita ao INSS quando um militar temporário deixar as Forças Armadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.