Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Reforma depende de ação rápida de coordenação política

Governo precisará retirar os 'bodes da sala', principalmente os artigos que alteram as regras do BPC e da aposentadoria dos trabalhadores rurais

Adriana Fernandes*, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2019 | 04h00

A aprovação da reforma da Previdência do presidente Jair Bolsonaro pelo Congresso Nacional está a caminho, mas uma votação rápida da proposta, com a preservação da maior economia possível de despesas, dependerá de uma ação rápida de coordenação política para afastar os pontos mais polêmicos que já contaminam o ambiente ainda favorável ao endurecimento nas regras de aposentadoria e pensão.

Como mostrou levantamento do Estado, dos 212 deputados que afirmaram serem contrários ao texto, 119 mudariam os votos caso haja alterações no texto.

O governo precisará retirar os “bodes da sala”, principalmente os artigos do texto da proposta que alteram as regras do benefício para idosos e pessoas com deficiência de baixa renda (BPC) e da aposentadoria dos trabalhadores rurais.

Por ora, o ingrediente adicional e mais perigoso para a aprovação da reforma, sem dúvida nenhuma, fica por conta do projeto de lei que reestrutura a carreira dos militares, aumenta o soldo (parte principal do salário) dos militares e garante a incorporação nas remunerações de gratificações a generais, inclusive os que já estão na reserva. Essa medida pode beneficiar, inclusive, ministros do governo Bolsonaro, além do vice-presidente Hamilton Mourão.

Polêmico, o projeto foi recebido com desconfiança até mesmo pelos aliados mais próximos de Bolsonaro. É gritante o erro de timing político de misturar aumento de remuneração para os militares, mesmo que depois de um período de mais de 19 anos de achatamento salarial, no momento em que o governo pede sacrifício a todos os brasileiros com a reforma. O custo é alto com a reestruturação e o governo terá de tirar dinheiro de outras áreas para pagar.

Na esteira da proposta, o risco maior é de o governo aumentar as resistências à reforma em vez de juntar apoio.

A parte de reestruturação dos salários, incluída no texto, tem tudo para ser retirada do projeto, assim como o BPC e as modificações na aposentadoria rural. A questão é saber qual o grau de perigo para a reforma como um todo, se isso acontecer.

A batalha até a votação não está ganha e será mais difícil do que o time de Bolsonaro contava depois da expressiva vitória eleitoral. Pelo contrário, os dados revelam que o governo terá de ceder. A desidratação é certa e o R$ 1 trilhão de economia que o ministro da Economia, Paulo Guedes, quer garantir não se sustenta.

Uma reforma muito branda não resolveria o problema da sustentabilidade das contas públicas.

A boa notícia do levantamento é que em pontos-chave como a fixação de idades mínimas e as regras de transição a rejeição é menor. Um avanço e tanto.

*É JORNALISTA

Mais conteúdo sobre:
reforma previdenciária

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.