Reforma nos EUA será a maior desde Grande Depressão

A reforma proposta hoje pelo secretário do Tesouro dos EUA, Henry Paulson, se aprovada pelo Congresso americano, será a maior no sistema de regulamentação financeira do país desde a Grande Depressão, iniciada com a forte queda da Bolsa de Nova York em 1929. O plano vai mudar a forma como o governo regulamenta milhares de negócios, desde os grandes bancos e fundos de investimento até os seguros e hipotecas. Paulson anunciou o plano de 218 páginas em um discurso hoje, em meio às iniciativas do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) de aliviar os efeitos da crise no setor imobiliário e no crédito sobre os mercados financeiros e sobre a economia. Segundo o secretário do Tesouro, um sistema financeiro forte é importante não apenas para Wall Street mas também para os trabalhadores americanos. O plano do governo gerou críticas dos Democratas, que não acreditam que ele seja tão profundo para lidar com os abusos nos acordos de hipotecas expostos pela atual crise de crédito. O plano tem como objetivo atualizar a estrutura do sistema, estabelecida na Guerra Civil. O projeto também daria ao Fed mais poder para proteger a estabilidade do sistema financeiro, enquanto que a supervisão bancária diária estaria a cargo de uma agência, e não de cinco, como acontece atualmente.Paulson admitiu no discurso que a maioria das mudanças só ocorrerá depois de um intenso debate no Congresso, deixando ao próximo governo a negociação das maiores alterações propostas. As informações são da Associated Press.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.