Agência Brasil
Agência Brasil

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Reforma pode potencializar crescimento, desde que se avance em outras áreas, diz Felipe Salto

O diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente afirma que as mudanças nas regras da Previdência devem render uma economia abaixo dos R$ 700 bilhões

Bárbara Nascimento, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2019 | 19h05

Após oito meses de tramitação, a reforma da Previdência sai do Congresso bem menor do que entrou, mas ainda com efeito fiscal importante. Para o diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI), vinculada ao Senado Federal, Felipe Salto, as mudanças nas regras devem render uma economia abaixo dos R$ 700 bilhões - ante os R$ 800 bilhões estimados pelo governo -, mas que ajudará o País a equilibrar sua dívida. Pode ainda potencializar a retomada de alguns segmentos da economia que hoje já ensaiam uma recuperação. A IFI acredita que, nas atuais circunstâncias, o País tem espaço para crescer pouco mais de 1% em 2019.

Salto ressalta que a reforma aprovada hoje finaliza uma série de empreitadas que vários governos anteriores iniciaram - desde a criação do fator previdenciário até o Funpresp. Ele destaca, no entanto, que a opção de retirar do texto a possibilidade de correção automática das regras para adaptá-las, por exemplo, às mudanças demográficas, fará com que em alguns anos o governo tenha que revisitar o tema. "Provavelmente entre 5 e 10 anos, mais para 5 do que para 10", estimou.

 O economista pondera, no entanto, que outras reformas precisam vir na esteira da Previdência, para manter o otimismo e ajudar a sanar a grave situação fiscal do País. "Tem uma avenida de outras coisas que precisam ser resolvidas. A reforma administrativa pode trazer economia importante. O gasto com pessoal hoje é uma rubrica importante. Há hoje uma discrepância na política de salário inicial do funcionalismo, não há um sistema de gestão de resultados, de metas", disse.

 Ele elenca ainda a intenção do governo de fazer um ajuste em algumas regras fiscais, como quer a PEC dos gatilhos, de autoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ). Para Salto, se alguns gatilhos de ajuste previstos pela lei do teto de gastos - como congelamento de reajustes salariais do funcionalismo - forem antecipados, o País conseguiria endereçar o fiscal com mais rapidez. Com a saúde das contas em dia, aponta, o governo conseguiria ser mais eficiente nas políticas de estímulo ao crescimento.

 O economista cita ainda a reforma tributária como uma das propostas que têm potencial para destravar a atividade. Segundo ele, a criação de um imposto sobre valor agregado (IVA) já ajudaria por reduzir custos para as empresas, mas pondera que uma desoneração da folha de pagamentos potencializaria o resultado, além de destravar politicamente a reforma.

Hoje, o setor de serviços não quer embarcar nas reformas tributárias propostas no Congresso - há uma PEC na Câmara e outra no Senado - por acreditar que seria excessivamente onerado pelas novas regras, por ter menos insumos a creditar do que setores como a indústria. "O setor de serviços seria onerado isoladamente. Daí a importância de ter algum tipo de desoneração de folha. Mas isso custa de R$ 160 bilhões a R$ 170 bilhões. Quem vai pagar a conta?", questiona.

Tudo o que sabemos sobre:
reforma previdenciária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.