André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

mercado

Petro, Magalu, Vale, B2W, Ambev... As empresas que mais cresceram na crise

Reforma trabalhista mostra 'margem' de votos para governo negociar na Previdência

Proposta precisa de 308 votos para passar em duas votações na Câmara

Igor Gadelha, Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2017 | 21h20

BRASÍLIA E SÃO PAULO - O placar da reforma trabalhista mostra que o governo tem hoje uma margem de pelo menos 191 deputados para negociar o voto a favor da reforma da Previdência, aponta levantamento do Broadcast Político em parceria com o Estadão Dados. Esses parlamentares estão entre os 296 que votaram a favor das mudanças na CLT e os 39 que se ausentaram da votação, mas se declaram indecisos ou não querem responder ao Placar do Estadão sobre a reforma previdenciária.

PLACAR DA PREVIDÊNCIA Veja a intenção de voto de deputados

A maioria desses "potenciais votos" está em partidos do chamado núcleo duro do governo e que estão à frente de importantes ministérios. Legenda do presidente Michel Temer, o PMDB tem 33 deputados nesse perfil. Já o PSDB, um dos principais aliados do governo, tem 24 desses votos. Até mesmo no PDT, que é da oposição, há dois votos em potencial: os dos deputados Damião Feliciano (PB) e Mário Heringer (MG), que não votaram na trabalhista e não declararam voto na da Previdência.

Interlocutores do governo avaliam que, entre esses potenciais votos, os mais viáveis de atrair são os daqueles deputados que votaram a favor da reforma trabalhista, mas que não querem revelar voto em relação à da Previdência. "Tem muita gente que não quer dizer o voto agora, mas já nos avisou que vai votar com a gente. Tem também os que, se sentirem que a reforma vai ser aprovada, votam a favor", disse o deputado Beto Mansur (PRB-SP), escalado pelo governo para mapear os votos.

Na ofensiva em busca de apoio, a principal estratégia do governo é negociar cargos por votos. As negociações começaram antes da reforma trabalhista e são feitas com partidos ou individualmente. Com 13 deputados, o PTN, por exemplo, ganhou a presidência da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Já o deputado Kaio Maniçoba (PMDB-PE) conseguiu emplacar um aliado no comando da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) do Ministério da Justiça em troca do apoio às reformas.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), avalia que muitos deputados não estão revelando seus votos para não antecipar o desgaste. "Muitos acham que têm desgate no curto prazo e vão deixar para o último minuto. O desgate dele é o voto. Para quê ele vai se desgastar antes?", afirmou. Ele ponderou, contudo, que há parlamentares da base que não declaram voto porque, de fato, votarão contra a reforma, mas temem perder os espaços que possuem no governo. "É do jogo".

Contrários. Para aprovar a reforma da Previdência, porém, o governo terá de ir além e trabalhar para convencer deputados que hoje são contra a proposta. No Placar do Estadão, 218 deputados já declararam voto contrário à proposta, o que inviabilizaria a aprovação da matéria, se a votação fosse hoje. Como será votada por meio de uma emenda constitucional, a reforma terá de ser aprovada em dois turnos com pelo menos 308 votos em cada um deles, o equivalente a 3/5 dos 513 deputados.

Nem todos os votos favoráveis à reforma trabalhista, porém, serão automaticamente transferidos para a da Previdência. Dos 296 deputados que votaram a favor das alterações na CLT, 55 responderam ao Placar do Estadão que votarão contra a previdenciária. Além disso, há outros 149 votos contra vistos como "cristalizados" de parlamentares que se posicionaram contra a reforma trabalhista e também declararam que votariam contra a reforma da Previdência, se a votação fosse hoje.

O líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), minimiza o levantamento feito pelo Estadão. Segundo ele, a base aliada na Casa foi reorganizada na votação da reforma trabalhista, o que, na avaliação dele, deve "se consolidar" nas próximas semanas para a da Previdência. "Vamos nos esforçar para que a base tenha pleno conhecimento do texto, veja que foi atendida em parte ou em tudo e para que o relatório chegue até a população", disse. / COLABORARAM LIANA COSTA, BERNARDO GONZAGA E ISABELLA MACEDO, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.