Reforma tributária é importante para bolsa, diz Magliano

O presidente da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), Raymundo Magliano Filho, defendeu uma reforma tributária que estimule as empresas a abrir o capital, durante entrevista para a Rádio Eldorado. Ele disse que estudo realizado pela Bovespa demonstra que as pequenas e médias empresas têm "caixa dois" dada a elevada carga tributária no Brasil que dificulta a competição no mercado interno e externo. Ele afirmou que "as empresas que não possam ser formais nunca procurarão o mercado de capitais", pois as companhias abertas precisam ser transparentes. Atualmente, há 388 companhias abertas, ante 1.100 no passado. Magliano acredita que haverá a volta de captação de recursos e abertura de capitais, quando o juro deixar de ser "tão alto" e houver maior desenvolvimento econômico. Magliano também fez um balanço do programa "homebroker" (de compra e venda de ações por meio da internet). Ele disse que no ano passado ocorriam 3.500 negócios por dia com ações e que a média atual já é de 7.000, ocorrendo casos de operações de compra e venda de ações por parte de investidores residentes na Finlândia, Japão e Rússia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.