Reformas são insuficientes para o crescimento, diz Bird

Reformas, estabilidade macroeconômica e privatizações não são garantia de crescimento econômico, na avaliação do vice-presidente do Banco Mundial (Bird), Michael Klein. Segundo ele, países como o Brasil precisam resolver também aspectos microeconômicos, como abertura de empresas, lei de falências, regulamentação do mercado de trabalho, eficiência do Judiciário e acesso ao crédito. Segundo o estudo "Fazendo Negócios em 2004: a Importância do Marco Regulatório, lançado hoje em Brasília pelo Bird, o tempo gasto para abrir uma empresa no Brasil é de 152 dias, mais do que o dobro da média registrada na América Latina (72 dias), mais de cinco vezes o necessário a Rússia (29 dias).Essa é uma das diferença apontadas para justificar por que outros países, como China e Coréia, registraram crescimento bastante superior ao do Brasil. "As reformas na China e Coréia foram focalizadas em aspectos microeconômicos como arcabouço legal e marcos regulatórios", disse.Segundo o vice-presidente do Bird, as dificuldades apontadas no relatório relacionadas à regulamentação trabalhista, demora e alto custo para montar um negócio fazem aumentar a informalidade, contribuindo para ineficiência da economia. O estudo do Bird esta no endereço http://rru.worldbank.org/DoingBusiness/doingbusiness2004.aspx

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.