Reformas são questão de tempo, diz secretário do Tesouro

O secretário do Tesouro Nacional, Tarcísio Godoy, ao reafirmar nesta sexta-feira numa teleconferência com investidores e analistas estrangeiros o compromisso do governo com a estabilidade fiscal, disse que "as reformas política e na Previdência Social estão sob discussão e são uma questão de tempo". Essa informação contrasta com declarações recentes dados pelo presidente Lula e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que sinalizaram que a reforma da Previdência não é um dos itens da agenda econômica do governo nos próximos quatro anos. Godoy enfatizou também a intenção do governo de promover uma reforma tributária. O secretário disse que o governo está consciente que "há uma estrada muito longa para se consolidar a credibilidade fiscal e monetária" do país. Ele enfatizou que os pilares da ação do governo são "a estabilidade monetária, sem inflação, a responsabilidade fiscal e a distribuição de renda". Na teleconferência, Godoy, além do secretário-adjunto do Tesouro, Paulo Valle e outros diretores da instituição apresentaram aos investidores e analistas estrangeiros o Plano Anual de Financiamento (PAF), divulgado em Brasília na última quarta-feira. Eles salientaram que principal objetivo do plano é o de reduzir o risco e melhorar o perfil da dívida brasileira. Otávio Ladeira, diretor da Coordenação-Geral de Planejamento Estratégico da Dívida Pública (COGEP) disse que a previsão do Tesouro para a relação entre a dívida e o PIB no final de 2007 - atualmente em cerca de 50% - é que ela fique entre 48,5% e 49%. Para o final de 2008, disse que a é de 47%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.