carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Região Sul será decretada livre de aftosa

O Brasil deve ter confirmada amanhã a decretação dos Estados da Região Sul como área livre de febre aftosa, com vacinação. A classificação, que permite ao País vantagens na exportação da carne bovina, já havia sido obtida pelo Brasil nos estados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul em 2000, mas foi suspensa pela Organização Internacional de Epizootias (OIE) depois da descoberta de novos focos entre 2000 e 2001.Agora, o Brasil deve recuperar a posição livre de aftosa após a reunião da organização, que acontece amanhã no Rio de Janeiro. O último foco da aftosa no País foi detectado em agosto de 2001. A reunião está marcada para às 16 horas e faz parte da agenda programada para a reunião da comissão de febre aftosa da OIE, que pela primeira vez acontece fora da sua sede em Paris, até o próximo dia 6 de dezembro, no Hotel Intercontinental no Rio de Janeiro.Segundo o ministro Pratini de Moraes, que participou da abertura do encontro, juntamente com o diretor da OIE, Bernad Vallat, a realização do evento no país "é uma demonstração de confiança no Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa". De acordo com o ministro, além da liberação dos Estados do Sul para nomenclatura de "livres de aftosa", a reunião no Rio também tem como fator importante o pedido oficial de inclusão do estado de Rondônia nessa área livre da doença. A autorização para que Rondônia seja integrada à área, entretanto, deve sair somente na próxima reunião do Comitê Central da OIE, em maio em Paris. Segundo o ministro, a previsão é de que em 2005 todo o país seja considerado livre da aftosa. Ele lembrou que nos últimos três anos foram investidos US$ 2 bilhões pelo governo federal, Estados e pelos pecuaristas para atingir o nível de qualidade do setor hoje. "Estes investimentos permitiram que o Brasil dobrasse suas exportações de carne nos últimos três anos e se continuarmos neste mesmo ritmo podemos dobrar novamente estas exportações nos próximos três anos", disse.

Agencia Estado,

25 de novembro de 2002 | 18h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.