Registros de falências caem no primeiro semestre

Levantamento divulgado nesta quarta-feira pela Serasa mostrou que os registros de falências caíram significativamente no primeiro semestre ante o mesmo período 2005. As falências requeridas apresentaram queda de 66,2% e que as decretadas diminuíram 39,3%.Segundo a pesquisa, os pedidos de recuperação judicial somaram 131 registros entre janeiro e junho e houve apenas 1 pedido de recuperação extrajudicial. As recuperações judiciais deferidas, passo intermediário entre a recuperação judicial requerida e a concedida, totalizaram 73, enquanto as concedidas atingiram cinco. Segundo a empresa, não há base de comparação para esta modalidade, por causa da vigência, somente em junho do ano passado, da Nova Lei de Falências, que substituiu a concordata.Na avaliação da Serasa, a "expressiva queda" do indicador de falências, em todas as comparações, é conseqüência desta nova lei, que, conforme destacou a companhia, "desestimulou a utilização do requerimento como um instrumento de cobrança e estabeleceu limite mínimo, em reais, para sua aplicabilidade".Os técnicos da Serasa também observaram que o movimento de declínio foi motivado ainda pelo crescimento da atividade econômica, sustentado pelo aumento do consumo interno, fruto da elevação da renda real e da melhoria do emprego; e pelas melhores condições de crédito ao consumidor.JunhoEm junho, a companhia de análise de crédito constatou recuo ainda maior nos indicadores de falências sobre o mesmo período de 2005. As requeridas diminuíram 75,8% e as decretadas caíram 53,3%.No mês passado, os pedidos de recuperação judicial de empresas totalizaram 33 eventos, contra 9 em junho de 2005, quando a Nova Lei de Falências entrou em vigor. No caso das recuperações extrajudiciais, não houve pedidos.As recuperações judiciais deferidas totalizaram 22 eventos em junho deste ano, enquanto, no mesmo período do ano passado, foram deferidas apenas duas. De acordo com a Serasa, houve dois casos de recuperações judiciais concedidas no sexto mês de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.