Regra impede acesso de usineiros a recursos do BNDES

Anunciado em janeiro como a solução para a renovação dos canaviais brasileiros e a retomada da produção de etanol, o Programa Pró-Renova do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e sua linha de crédito de R$ 4 bilhões ainda não chegou até as mãos dos produtores. "A época de plantio já passou e os bancos privados não conseguiram repassar os recursos para os produtores de cana", informa o diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Antonio Padua Rodrigues. Segundo ele, apesar de expressivo interesse do setor, ninguém conseguiu obter o crédito.

EDUARDO MAGOSSI, Agencia Estado

23 de abril de 2012 | 17h25

O executivo informa que uma cláusula do programa está impedindo que os produtores tenham acesso aos recursos. Entre as exigências feitas pelo BNDES para a obtenção do crédito, está a apresentação de comprovação que todos os fornecedores de cana-de-açúcar da usina contratante estão com suas operações em linha com as regras ambientais. "Algumas usinas possuem mais de mil fornecedores e conseguir esta documentação em tão pouco tempo é quase impossível."

Nas linhas oferecidas pelo BNDES anteriormente, a exigência era da usina requerente estar dentro das normas ambientais e esta exigência não era ampliada para seus fornecedores. "A regra nova acabou impedindo que os benefícios do plano fossem utilizados pelo setor", explicou.

Renovação menor

Pádua ressalta que diante da impossibilidade de o setor pegar os recursos a tempo, a renovação do canavial deverá ficar abaixo do estimado anteriormente. "A reforma da lavoura será feita com recursos próprios dentro das possibilidades de caixa das usinas. Aquele aumento de renovação que deveria ocorrer com os recursos do BNDES deve ser postergado", disse.

O diretor da Unica conta que o BNDES ficou de rever as exigências e realizar uma reunião com a entidade e bancos privados para que uma solução seja encontrada para o impasse. "Estamos na expectativa da realização desta reunião."

Tudo o que sabemos sobre:
créditoBNDESusineiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.