Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Regulador determina fim da disputa trabalhista na Qantas

Cerca de 80 mil passageiros são afetados pela greve de funcionários que paralisa as atividades da empresa

Agências,

30 de outubro de 2011 | 16h06

 

SYDNEY - O executivo-chefe da Qantas Airways, Alan Joyce, disse que os voos da companhia aérea serão retomados na tarde desta segunda-feira, após as autoridades da Austrália determinarem o fim da disputa trabalhista na companhia. "Essa decisão dá segurança para os passageiros da Qantas", comentou.

Mais cedo, a Fair Work Austrália determinou o fim da disputa na Qantas. O árbitro trabalhista disse que as circunstâncias do caso são específicas, "em especial devido a vulnerabilidade da indústria do turismo às incertezas". A Qantas é a décima maior companhia aérea do mundo, em termos de passageiros transportados.

Este é o segundo dia em que os passageiros da companhia aérea, cerca de 80 mil, são afetados pela greve de funcionários que paralisa as atividades da empresa. A Qantas possui 65% do mercado australiano de voos domésticos, mas os seus voos internacionais têm dado prejuízo.

A reestruturação proposta pela companhia prevê o corte de mil empregos, do atual quadro de 35 mil funcionários. Os sindicatos têm realizado uma campanha por melhores salários e também por discordarem da estratégia da administração da empresa de manter seus planos de concentrar o foco na Ásia. Um dos chefes dos sindicatos chegou a ameaçar manter as greves até  meados de 2012.

Meses de greves de carregadores de bagagens, engenheiros e pilotos geraram um custo de 15 milhões de dólares australianos (US$ 16 milhões) por semana, segundo a empresa, com o impacto financeiro total atingindo até o momento 68 milhões de dólares australianos (US$ 72,780 milhões).

Ontem, a companhia aérea anunciou a decisão de impedir a entrada dos trabalhadores sindicalizados e cancelar todos os voos indefinidamente.

Saia-justa

A escalada na disputa irrita o governo e representa uma vergonha para a primeira-ministra da Austrália, Julia Gilard, que recebia uma cúpula de líderes da Commonwealth em Perth. Dezessete dos líderes tinham voos reservados com a Qantas no domingo.

"Não há motivos para essa reação radical e exagerada," disse o tesoureiro adjunto e ex-sindicalista Bill Shorten à Australia Broadcasting Corporation. "Sessenta e oito mil australianos e a indústria do turismo foram grosseiramente incomodados por esta emboscada aos passageiros".

Gillard, criticada por não intervir na disputa mais cedo, disse ser necessário que as audiências judiciais em Melbourne resolvessem o impasse rapidamente. "Nós tomamos essa ação porque ficamos preocupados com os danos à economia", disse ela a repórteres em Perth, onde a disputa ofuscou a reunião da Commonwealth. "O governo está pedindo o fim da ação".

As autoridades australianas recomendam que passageiros com voos marcados pela Qantas não se encaminhem até o aeroporto antes de se informar sobre seus voos. A Qantas precisa fornecer acomodação e refeições a passageiros que estão no meio de conexões.

Com Agência Estado, Dow Jones, Reuters e Efe

Tudo o que sabemos sobre:
qantasgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.