Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Reguladores dos EUA investigam mercado de dívida

Os reguladores norte-americanos aumentaram o escrutínio no mercado de bônus, lançando uma investigação sobre o lucro nas operações dos bancos de Wall Street e expandindo a avaliação sobre como novas ofertas são distribuídas aos investidores, afirmou Richard Ketchum, executivo-chefe da Autoridade Reguladora da Indústria Financeira (FINRA, na sigla em inglês).

AE, Agencia Estado

11 de abril de 2014 | 00h45

Em entrevista ao Wall Street Journal, Ketchum disse que a Finra está procurando situações nas quais os intermediários obtiveram lucros fora do comum em operações de bônus. A investigação pode levar a uma instrução para que os bancos reduzam o spread entre o preço de compra e o de venda que cobram sobre certos operadores.

Pessoas com conhecimento do assunto também disseram que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) está questionando as grandes gestoras de recursos sobre ineficiências no mercado de bônus. Um dos focos da investigação diz respeito aos problemas dos investidores para comprar e vender bônus quando os mercados de crédito caíram forte em maio do ano passado. Um porta-voz do Fed não quis comentar o assunto.

A atenção para o mercado de dívida ocorre em um momento em que os reguladores lançam uma série de perguntas sobre potenciais desigualdades nos mercados de ações e de commodities, na qual o acesso à informação pode dar certas vantagens a alguns investidores.

Alguns participantes do mercado suspeitam que grandes operadores em determinados momentos favorecem certos clientes. Há muito tempo os investidores de bônus reclamam que os mercados são lentos em adotar novas tecnologias e que o sistema de precificação e as informações das operações deveriam ser mais bem distribuídas.

O mercado de bônus norte-americano totaliza cerca de US$ 40 trilhões, mais que o dobro dos aproximadamente US$ 19 trilhões no mercado acionário. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUABANCOSDÍVIDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.