Reino Unido deixa recessão, mas PIB fica aquém do previsto

A Grã-Bretanha saiu da recessão no quarto trimestre de 2009, mas com uma taxa de crescimento mais fraca que a esperada, segundo dados divulgados nesta terça-feira, sugerindo que qualquer aperto monetário está longe de ocorrer.

REUTERS

26 Janeiro 2010 | 09h00

O Departamento Nacional de Estatísticas informou que o PIB cresceu 0,1 por cento entre outubro e dezembro, bem abaixo da expectativa de analistas de expansão de 0,4 por cento depois de 18 meses de recessão que diminuíram a produção em 6 por cento.

A produção no último trimestre ainda ficou 3,2 por cento menor que no mesmo período um ano antes.

No acumulado de 2009, o PIB teve uma contração recorde de 4,8 por cento.

Embora a saída da Grã-Bretanha da recessão possa melhorar a confiança do consumidor, a fraca recuperação provavelmente ainda irá pesar nas chances do primeiro-ministro Gordon Brown de vencer as próximas eleições parlamentares.

Ainda que Brown argumente com frequência que suas decisões ajudaram a Grã-Bretanha a contornar a tempestade global, o Reino Unido foi a última das grandes economias a sair da recessão.

Muitos analistas estimam que o Banco da Inglaterra interrompa seu programa de 200 bilhões de libras em compra de ativos no próximo mês, mas os dados desta terça-feira devem elevar as expectativas de que qualquer alta nos juros ante a atual baixa recorde ainda esteja longe.

(Reportagem de Matt Falloon e Sumeet Desai)

Mais conteúdo sobre:
MACROREINOUNIDOPIB*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.