Alkis Konstantinidis / Reuters
Alkis Konstantinidis / Reuters

Reino Unido perde 6,6 bi de libras por trimestre desde que votou a favor do Brexit, diz S&P

Economista sênior de estatísticas da agência afirma que economia do país seria cerca de 3% maior até o fim de 2018 se processo não tivesse sido aprovado

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2019 | 08h52

LONDRES - O Reino Unido perdeu 6,6 bilhões de libras em atividade econômica a cada trimestre desde que votou a favor de deixar a União Europeia (UE), segundo a S&P Global Ratings, a mais recente instituição financeira a estimar os prejuízos do Brexit.

Em um relatório publicado nesta quinta-feira, 4, o economista sênior de estatísticas da agência, Boris Vidro, disse que a economia do país seria cerca de 3% maior até o fim de 2018 se o Brexit não tivesse sido aprovado no referendo de junho de 2016.

As taxas de crescimento trimestrais teriam uma média de 0,7%, em vez de 0,43%, afirmou ele. “Imediatamente após o referendo, a libra caiu cerca de 18%. Esse foi o indicador mais pertinente do impacto do voto, e a devastação que ele criou, por meio da inflação, vem se espalhando pela economia.”

À medida que as importações se tornaram mais caras, a inflação começou a subir, reduzindo os gastos das famílias. A inflação estimada pela S&P foi 1,8% maior do que seria no terceiro trimestre de 2017.

A estimativa é um pouco menor do que uma avaliação feita pelo Goldman Sachs recentemente, que estabeleceu o custo para a economia em cerca de 600 milhões de libras por semana. Isso equivale a 7,8 bilhões de libras por trimestre, de acordo com cálculos da Reuters.

O relatório da S&P teve como base a abordagem Doppelganger, uma técnica econométrica que usou uma economia do Reino Unido com base no desempenho de outras economias para estimar como o país se desenvolveria caso não tivesse decidido deixar a UE.

A projeção também inclui Estados Unidos, Canadá, Japão, Irlanda, Dinamarca, Portugal e Hungria. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.