Reino Unido tem maior nível de pedidos de auxílio-desemprego desde julho de 2009

Dado é referente ao mês de janeiro; requisições do benefício aumentaram em 23,5 mil

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

17 de fevereiro de 2010 | 15h54

O desemprego no Reino Unido subiu inesperadamente em janeiro depois de dois meses de declínio, enquanto o ganho salarial médio cresceu no menor ritmo histórico pelo terceiro mês seguido, segundo dados divulgados pelo Escritório Nacional de Estatística do Reino Unido (ONS, na sigla em inglês).

 

O número de pedidos de auxílio-desemprego no Reino Unido aumentou em 23.500 em janeiro, o maior desde julho de 2009. A taxa de desemprego permaneceu em 5% da força de trabalho.

 

O aumento de janeiro, comparado com um dado revisado para queda de 9.600 pedidos em dezembro, foi uma surpresa. Os economistas entrevistados pela Dow Jones previam um declínio de 13.500 no número de pedidos e uma taxa de desemprego de 5,0%.

 

A ONS revisou suas estimativas de pedidos de auxílio-desemprego para dezembro depois de originalmente apontar um declínio de 15.200 pedidos.

 

O ganho salarial médio, excluindo bônus, ficou inalterado em 1,2% nos três primeiros meses até dezembro, a taxa mais baixa desde que o dado começou a ser compilado em 2001. A medida semanal evita problemas da acentuada flutuação dos pagamentos mensais distorcer as medidas dos ganhos regulares reais. As informações são da Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.