finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Relação dos Kirchners com estatal brasileira alterna avanços e recuos

Pressões do governo e pedidos de mais investimentos pontuam os dez anos de presença da Petrobrás no país

ARIEL PALACIOS , CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2012 | 03h07

"E logo, beijando-a na testa, com grande tranquilidade, amavelmente, lhe desferiu trinta e quatro punhaladas." Esses são os versos finais do tango Amablemente (Amavelmente), do compositor e cantor Edmundo Rivero. A letra ilustra bem o comportamento inconstante dos governos do ex-presidente Néstor Kirchner e de sua sucessora Cristina Kirchner com a Petrobrás, empresa do principal parceiro estratégico da Argentina, que desembarcou no país em grande estilo em 2002, quando adquiriu os ativos da Pérez Companc (Pecom), então a última grande empresa privada do setor energético da Argentina que ainda estava em mãos nacionais.

Na época, a compra quase foi a pique pela oposição do presidente provisório Eduardo Duhalde (2002-2003). No entanto, depois de ter driblado os obstáculos, a Petrobrás também teve problemas com o sucessor de Duhalde, Néstor Kirchner (2003-2007), que também preferia que empresários argentinos amigáveis com o governo controlassem os ativos adquiridos pela empresa brasileira.

Em 2004, Kirchner exigiu que a Petrobrás Energia - nome da subsidiária argentina - colocasse os fundos que faltavam para a conclusão da ampliação do gasoduto San Martín, que liga o sul da Argentina com a Grande Buenos Aires. Nervoso, durante um encontro com o então chanceler Celso Amorim, Kirchner esbravejou duramente sobre o assunto. A crise só foi suspensa graças à intervenção do BNDES, que enviou os fundos exigidos pelo presidente. Na sequência, Kirchner fez longos elogios à capacidade tecnológica da Petrobrás e à associação estratégica com o Brasil.

Um ano depois, a Petrobrás Energia começou a sofrer pressões de Kirchner para vender a participação na Transener (companhia responsável pela maior parte da distribuição da energia elétrica no país). A empresa retrucou, afirmando que no contrato a venda dessas ações era "voluntária" e sem prazo determinado. Mas Kirchner continuou pressionando e a Petrobrás teve de colocar as ações à venda. A opção da empresa era vender às ações à americana Eton Park.

No entanto, o presidente argentino bloqueou a operação e forçou a venda à empresa argentina Electroingeniería, de empresários vinculados aos Kirchners.

O ano de 2012 começou com novos problemas, pois a Petrobrás - junto com outras companhias petrolíferas - foi acusada por Cristina Kirchner de "cartelização de preços". As companhias foram ameaçadas com a aplicação da "Lei do Abastecimento", que pune as empresas que sejam consideradas responsáveis por alta de preços e desabastecimento. A lei permite que o governo confisque mercadorias, coloque executivos na prisão e feche empresas.

Mais investimentos. No dia 7 de março, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, reuniu-se em Buenos Aires com o ministro do Planejamento Federal, Julio De Vido, e com a presidente Cristina. Na ocasião, Lobão declarou que Cristina havia pedido "mais investimentos da Petrobrás na Argentina".

Lobão relativizou a venda de 365 postos de gasolina (de um total de 565 postos) e de uma refinaria da Petrobrás na Argentina realizada em 2010: "Sim, a empresa reduziu sua presença aqui... mas pode voltar a aumentar nossa atuação!"

Essa foi a segunda vez em menos de um mês que o governo Kirchner pediu "mais investimentos" da Petrobrás na Argentina. Em fevereiro, o ministro De Vido havia estado em Brasília com o mesmo pedido. Na segunda-feira, no discurso em que anunciou a expropriação da YPF, a presidente citou a Petrobrás como modelo de sociedade anônima. Ela também sugeriu, muito superficialmente, a necessidade de uma "parceria" com a empresa brasileira na YPF.

Ontem, De Vido, o braço direito de Cristina na área energética, esteve no Brasil e se reuniu com o ministro Lobão e com a presidente da Petrobrás, Maria das Graças Foster. No encontro, De Vido pediu mais investimentos da Petrobrás na Argentina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.