Relações públicas garante primeiro Leão para o Brasil em Cannes

Agências brasileiras devem garantir hoje mais sete troféus, sendo três ouros, na categoria anúncios impressos

Marili Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

23 de junho de 2009 | 00h00

O Brasil começou bem na categoria relações públicas, que estreou este ano no Festival Internacional de Publicidade de Cannes. O País ficou com um Leão para a ação da Rede Globo que divulgou a série televisiva Mil Casmurros, baseada na obra de Machado de Assis. Em relações públicas, não há divisão entre Leões de ouro, prata e bronze. O grande vencedor nessa categoria foi a ação intitulada "O melhor emprego do mundo" (ver abaixo), para estimular o turismo em Queensland, na Austrália.Hoje, devem ser oficializados mais sete Leões para o Brasil na categoria de anúncios impressos. São três de ouro e quatro de Bronze. No ano passado, o País obteve 14 Leões, mas apenas um de ouro. Esses resultados não indicam uma tendência clara sobre o desempenho do País no maior festival de publicidade do mundo. Publicitários que circulam pela costa francesa não acreditam que o Brasil possa repetir o volume de prêmios obtidos em 2008 - foram 41 Leões, embora neste ano a probabilidade é que os prêmios sejam mais qualificados. A maior resistência, até o momento, vem do rigoroso comportamento adotado pelo presidente dos júris de anúncios impressos e filmes comerciais, o americano David Lubars, presidente da rede BBDO nos EUA. Essas duas categorias são muito importantes no meio publicitário, por ainda serem consideradas o coração do negócio. Lubars tem sido duro no corte de peças nas listas prévias. O Brasil, por exemplo, emplacou apenas 28 finalistas em anúncios impressos, dos quais vão sair os sete Leões. A categoria filmes comerciais terá sua lista prelimiar divulgada apenas na quinta-feira - os jurados ainda seguem avaliando as 3.453 peças inscritas este ano. Lubars não está sozinho nessa missão. Nos corredores do Palácio dos Festivais, onde se concentram as atividades do festival, diz-se que há uma preocupação dos organizadores do evento, o grupo inglês Emap, de valorizar as disputas. Por isso mesmo, não surpreendeu a informação de que o júri de rádio também ter sido bastante severo na seleção. Das 1.153 peças inscritas, o júri deve anunciar hoje a premiação de apenas 1,3% delas - ou seja, apenas 15 Leões. Em 2008, foram premiadas 47 peças. O Brasil ganhou então quatro Leões.Em impressos, dos sete troféus que serão anunciados hoje, três são para as campanhas da agência DM9DDB para os clientes: portal Terra, serviços de logística Fedex e a publicação Latin Stocks. Outros dois são da AlmapBBDO, para a Panamericana Escola de Arte e Design e para a ONG Greenpeace. Outro Leão é da agência Talent, para empresa de eletrônicos Sony-Ericsson. E o sétimo foi para a Publicis, pela campanha para a Oral B. O jornal ?O Estado de S. Paulo? é o representante oficial do Festival de Cannes no Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.