Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Relatório do BC dos EUA aponta estabilização em vários setores

Analistas dizem que gastos de consumo estão apáticos em muitas regiões com fim de programas de estímulo

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

21 de outubro de 2009 | 16h20

Os gastos de consumo estavam fracos em muitas partes dos Estados Unidos durante o último verão e início do outono, deixando perspectivas pouco excitantes para o crescimento econômico no resto de 2009. De acordo com o mais recente relatório Livro Bege do Federal Reserve, os 12 distritos regionais indicaram tanto a estabilização quanto melhoras modestas de níveis deprimidos em muitos setores da economia.

 

Veja também:

linkEUA anunciam que começarão a desativar programa de auxílio 

especialUm ano após auge da crise, economia se recupera

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialDicionário da crise 

especialComo o mundo reage à crise

 

Embora o mercado de moradia continue melhorando, o Livro Bege disse que os gastos de consumo estavam apáticos em muitas regiões, com vendas mais lentas em consequência do vencimento do programa de desconto "dinheiro por sucata" do governo federal. "Os informes de ganhos na atividade econômica no geral superaram os de declínio, mas virtualmente todas as referências para melhora foram qualificadas como sendo pequenas ou dispersas", diz o Livro Bege.

 

O Livro Bege é um sumário da atividade econômica preparado para ser usado no próximo encontro de política monetária do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), marcado para os dias 3 e 4 de novembro. O mais recente Livro Bege foi elaborado pelo Federal Reserve Bank de Richmond e reflete informações colhidas em setembro e início de outubro.

 

No Livro Bege anterior, publicado em 9 de setembro, o Fed disse que a economia dos EUA continuou se estabilizando durante a metade do verão, mas que os gastos de consumo estavam fracos. Os gastos de consumo respondem por 70% do PIB dos EUA.

 

Análise dos setores

 

De acordo com o Livro Bege, o setor mais fraco é o de imóveis comerciais, "com as condições descritas tanto como fraca ou em deterioração através de todos os distritos". Mas mesmo este setor revelou alguns poucos pontos positivos.

 

"Cada distrito indicou que a demanda por imóveis comerciais estava fraca, com Nova York, Filadélfia, Cleveland, Atlanta, Chicago, St. Louis, Kansas City e San Francisco, todos caracterizando a atividade como em declínio adicional desde o relatório anterior", diz o Livro Bege. Uma inabilidade em obter crédito foi frequentemente citada como um problema para as empresas que queriam comprar ou construir um espaço.

 

No entanto, a atividade de construção não residencial pública, financiada por projetos de estímulos do governo federal, foi uma fonte de vigor nos distritos de Cleveland, Chicago, Minneapolis e Dallas, mas os ganhos foram frequentemente anulados por cortes dos governos estaduais e locais.

 

Os bancos também vacilam em vários distritos, com Kansas City e São Francisco observando uma continuada erosão na qualidade de crédito. "Metade dos contatos para Kansas City esperam que a qualidade dos empréstimos continue a se deteriorar ao longo dos próximos seis meses", diz o relatório.

Um ponto brilhando no setor bancário foi o empréstimo para novos compradores de casas, em resposta ao crédito tributário para compra da primeira residência.

 

No setor industrial, muitos distritos reportaram que a atividade estava mais forte desde o Livro Bege anterior. Os distritos de Nova York, Richmond, Minneapolis e Kansas City, todos observaram uma aceleração adicional na produção, enquanto Filadélfia Philadelphia, Cleveland, Chicago e São Francisco mencionaram aumentos de leve a moderados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.