Relatório do BC projeta inflação maior para este ano

O Banco Central (BC) já projeta hoje uma inflação bem maior este ano e em 2005 do que previa meses atrás. No relatório trimestral de inflação, divulgado hoje, o BC subiu de 5,2% para 6,4% a estimativa de inflação pelo IPCA no final de 2004. Para 2005, a estimativa de inflação do BC aumentou de 4,2% para 4,4%.A projeção do BC para a inflação de 2004 está bem acima do centro da meta de 5,5% estabelecida pelo governo para esse ano. A estimativa para 2005 continua, porém, abaixo do centro da meta de 4,5%. O sistema de inflação aceita uma margem de tolerância de 2,5 pontos porcentuais para baixo e acima da meta. As projeções do BC são menores do que as estimativas traçadas pelos analistas do mercado financeiro que prevêem que a inflação em 2004 ficará em 6,5% e em 5,4% ao final de 2005.As projeções do BC divulgadas no relatório de inflação de hoje do segundo trimestre foram construídas com base numa variação do IPCA em 12 meses, que utiliza a hipótese de manutenção da taxa Selic de 16% ao ano e uma taxa de câmbio constante em R$ 3,10, valor que vigorava às vésperas da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). No relatório anterior, as projeções foram feitas com uma taxa Selic de 16,25% ao ano e o câmbio em R$ 2,91%.De acordo com o documento do BC, a trajetória da inflação mostra uma tendência de elevação da inflação acumulada em 12 meses ao longo do ano, partindo de 5,9% no segundo trimestre, 6,3% no terceiro trimestre e alcançando 6,4% no quarto e último trimestre de 2004. O BC atribuiu a alta da inflação aos efeitos da volatilidade recente no cenário externo, que provocou uma elevação da taxa de câmbio, e às expectativas de pressões mais duradouras nos preços do petróleo no mercado internacional. Esses efeitos, destaca o relatório, fizeram com que os agentes de mercado elevassem as suas expectativas de inflação para 2004 e 2005. Trajetória de queda A trajetória traçada pelo Banco Central no relatório trimestral mostra uma queda da inflação acumulada em 12 meses entre o último trimestre deste ano e o primeiro trimestre de 2005, de 6,4% para 5,5%. Segundo o BC, essa queda está associada à substituição da inflação elevada do início de 2004 (1,85% no primeiro trimestre) por uma inflação mais moderada de 1% no mesmo período de 2005. O BC destaca ainda no relatório que há uma tendência de queda nos trimestres seguintes, devida aos efeitos defasados da manutenção da taxa Selic em nível constante e uma projeção menor para a inflação de preços administrados.O BC também explica, no relatório divulgado hoje, que o cenário feito com estimativas do mercado projeta uma inflação maior para 2004 (6,5%) e 2005 (5,4%) por incorporar uma trajetória com depreciação para a taxa de câmbio e redução da taxa de juros maior. No cenário de mercado, a taxa básica de juro cai para 15% ao ano no último trimestre de 2004 e para 13,35% no último trimestre de 2005. A taxa de câmbio atinge a média de R$ 3,10 no último trimestre de 2004 e de R$ 3,23 no último trimestre de 2005. As estimativas do cenário de mercado estão acima do centro da meta de 2004 e 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.