Remédio: venda a granel pode reduzir preço

O Ministério da Saúde deverá propor à indústria farmacêutica a fabricação de remédios para venda a granel em farmácias de todo o País. A medida foi anunciada pelo ministro da Saúde, José Serra, ao participar ontem do seminário Os Medicamentos no Brasil, promovido pelo Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal (CRF-DF). A proposta de Serra está sendo elaborada por técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).Segundo o ministro, a venda a granel poderá contribuir para a redução de preços dos remédios. A redução, segundo ele, ocorreria porque o consumidor passaria a adquirir nas farmácias apenas a quantidade de remédio prescrita pelo médico. Atualmente, se a pessoa precisa tomar um antibiótico, por exemplo, é obrigada a comprar quantidades maiores de cápsulas ou comprimidos de um determinado produto porque as farmácias não trabalham com a venda fracionada - prática comum nos Estados Unidos, Canadá e Europa. Além do fracionamento, Serra também defende que os laboratórios aumentem a quantidade de comprimidos nos recipientes dos chamados remédios de uso contínuo, como os antidepressivos. Mesmo defendendo a proposta, Serra reconhece ser preciso adotar várias medidas para colocá-la em prática. A principal delas é a garantia da presença constante de farmacêuticos nas farmácias. Segundo o ministro, a presença do farmacêutico impediria a falsificação e a venda de medicamentos roubados aos consumidor. Serra explicou que todas essas questões estão sendo estudadas por técnicos da Anvisa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.