Remessas ao exterior pelas CC-5 caem 60%

A saída de recursos para o exteriorpor meio das contas de não residentes, conhecidas como CC-5,somou US$ 253 milhões nos primeiros 10 dias úteis deste mês. Umaqueda de 60% em comparação aos US$ 637 milhões verificados noinício de agosto. As remessas via CC5 acumuladas neste ano somamUS$ 5,7 bilhões, 80% do total de saídas registradas. Apesar de terem se intensificado a partir de julho, asremessas pelas contas de não residentes ocorridas nos últimosmeses não são consideradas pelo Banco Central um sinal de fugade recursos do Brasil. Na avaliação dos técnicos da instituição, elas estãoinfluenciadas pelo fato de que muitas empresas estão seaproveitando do momento de crise e desconfiança em relação aoPaís para recomprar dívidas lá fora com descontos consideráveis.Para fazer isso, é preciso remeter dólares para o exterior. "Aqueda, se for confirmada no final deste mês, pode ser um sinalde que esse movimento está se esgotando", diz um técnico doBC. As operações dos bancos com clientes no País, querefletem o momento atual de escassez de linhas de crédito para oBrasil, também mostram uma melhora em comparação com osprimeiros dias de agosto. Em 10 dias úteis deste mês, asinstituições financeiras venderam US$ 2,7 bilhões para suprir ademanda do mercado por moeda estrangeira. Por outro lado, recompraram outros US$ 2,1 bilhões queestavam nas mãos dos clientes. O saldo final foi negativo em US$600 milhões, mas no mesmo período do mês passado o movimentonegativo havia sido de US$ 885 milhões. Já a movimentação porconta da negociação de mercadorias resultou em US$ 2,3 bilhõesreferentes a contratos de exportações e US$ 1,2 bilhão deimportações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.