Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Renan promete às centrais discutir exceção à regra do mínimo no Senado

O senador peemedebista prometeu abrir o debate sobre a aplicação da regra de reajuste do mínimo nos períodos de desaceleração da economia

Andrea Jubé Vianna, da Agência Estado,

23 de fevereiro de 2011 | 12h58

Na reunião com representantes das centrais sindicais, o líder do PMDB, senador Renan Calheiros (AL), reafirmou o compromisso da bancada de votar favoravelmente ao projeto do governo que fixa o salário mínimo em R$ 545,00. No entanto, o peemedebista prometeu abrir o debate sobre a aplicação da regra de reajuste do mínimo nos períodos de desaceleração da economia.

Renan ponderou aos sindicalistas, liderados pelo deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), presidente da Força Sindical, que a fórmula de reajuste em vigor deve ser mantida porque garantiu nos últimos anos a valorização do mínimo. A regra aumenta o salário considerando a inflação do ano anterior mais o PIB de dois anos atrás.

No entanto, os sindicalistas reivindicaram a criação de uma regra de excepcionalidade, para os anos em que não houver crescimento da economia. A categoria reivindicava um aumento superior porque não houve crescimento do PIB em 2009, devido à crise mundial. Renan prometeu deflagrar um debate sobre a questão.

Em seguida, Renan reuniu a bancada de 19 senadores para articular a votação do projeto governista, programada para 16 horas. "O PMDB sempre colabora com pelo menos 80% dos votos da bancada", reafirmou o líder peemedebista. Até o momento, o PMDB contabiliza três dissidentes: Roberto Requião (PR), Luiz Henrique (SC) e Casildo Maldaner (SC). Renan tenta persuadi-los a votarem a favor do governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.