Renault deixa ‘varejão’ para falar de design

Após ampliar sua fatia no mercado brasileiro, companhia lança novos produtos e adota tom de ‘valor agregado’

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2017 | 05h00

Mesmo depois de dois anos seguidos de queda no mercado de veículos, que perdeu quase metade das vendas em 2015 e 2016, a Renault está apostando em uma renovação quase completa de sua linha de produtos. Além do utilitário Captur, lançado recentemente, a companhia francesa tem outras novidades previstas para 2017, entre elas o Kwid – que chegará para substituir o veículo de entrada Clio – e o Koleos, que concorrerá com os SUVs de luxo, que hoje custam mais de R$ 100 mil.

Para apresentar as novidades e também investir na criação de uma percepção maior de valor dos produtos da montadora, a companhia está deixando de lado o estilo “varejão” da comunicação – mais focada em preço e promoções – para priorizar os diferenciais de seus veículos. “Nosso objetivo é lançar produtos em segmentos que vão nos ajudar a ganhar mais market share (participação de mercado) e falar sobre o design europeu adaptado ao Brasil”, explica o presidente da Renault no Brasil, Fabrice Cambolive.

Apesar de o mercado ter tido retração de mais de 20% em 2017, a montadora afirma que conseguiu ganhar fatia de mercado. Segundo dados da empresa, a participação da Renault atingiu um pico desde a entrada da companhia no mercado brasileiro, com 7,5% das vendas totais de veículos leves no ano passado – alta de 0,2 ponto porcentual ante 2015. Em 2010, a fatia da empresa não chegava a 5%.

Design. Uma campanha da Renault que estreia hoje tenta “traduzir” essa nova fase da marca. O filme, criado pelo presidente da Neogama, Alexandre Gama, foi produzido no Museu de Arte Contemporânea de Niterói (RJ), e mostra o Captur passeando pelas famosas rampas criadas pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Os carros, que antes quase sempre apareciam nas ruas, agora ganham um novo ambiente: interagem com obras de arte e se integram a elas.

Segundo o publicitário, ter uma série de novos produtos ajuda o trabalho de comunicação – já que sempre há notícias para dar ao consumidor. “Estamos buscando uma linguagem renovada para o novo portfólio de produtos”, diz Gama. Segundo ele, no caso da Renault, os investimentos em publicidade têm a intenção de ampliar os domínios da marca, apresentando resultados concretos. “Temos muita liberdade para trabalhar, mas somos cobrados pelo market share.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.