Renault tem em 2009 1º prejuízo desde 1996; receita cai 11%

Montadora perdeu US$ 4,21 bilhões no período, ante lucro de US$ 820 milhões um ano antes 

Marcílio Souza, da Agência Estado,

11 de fevereiro de 2010 | 11h57

A montadora francesa Renault obteve prejuízo líquido de 3,07 bilhões de euros (US$ 4,21 bilhões), ou 12,13 euros por ação, em 2009, o primeiro prejuízo anual do grupo desde 1996. Em 2008, a montadora francesa lucrou 599 milhões de euros, ou 2,23 euros por ação.

 

Metade do prejuízo do ano passado, ou 1,56 bilhão de euros, veio da fatia de 44% da Renault na Nissan e de sua participação de 21% na sueca Volvo. A receita do grupo caiu 11% em 2009, para 33,71 bilhões de euros, prejudicada pelo declínio de 3,1% das vendas globais de carros e vans da montadora, para 2,31 milhões de unidades.

 

Em todo o ano passado, a Renault incorreu em prejuízo operacional de 396 milhões de euros, mas as condições de mercado melhores permitiram à fabricante obter lucro operacional de 224 milhões de euros no segundo semestre.

 

A empresa projeta um declínio de 10% do mercado automotivo europeu este ano, e não traçou nenhuma previsão além de afirmar que tem como meta gerar fluxo de caixa livre positivo e reduzir dívida. Em 2009, a Renault gerou um fluxo de caixa livre positivo de 2,09 bilhões de euros, o que permitiu à montadora reduzir sua dívida líquida em 2,02 bilhões de euros, para 5,92 bilhões de euros.

 

O executivo-chefe da Renault, o franco-brasileiro Carlos Ghosn, disse que reduzir a dívida líquida do grupo para menos de 3 bilhões de euros continua sendo uma prioridade. Essa diminuição pode melhorar o rating de crédito do grupo e reduzir seus custos para a tomada de empréstimos.

 

Ghosn prevê que 2010 será mais um ano "muito duro" em termos de políticas predatórias de preços entre as montadoras. A fatia de mercado global da Renault no ano passado aumentou 0,1 ponto porcentual, para 3,7%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Renault, prejuízo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.