Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Renda fixa lidera ganho em junho e no semestre

As aplicações de renda fixa foram as campeãs de rentabilidade no primeiro semestre e também em junho, embora no mês encerrado ontem o ouro, com valorização de 1,53%, tenha liderado circunstancialmente a corrida dos investimentos com vantagem residual sobre o CDB (veja tabela abaixo). A Bolsa de São Paulo recuou 0,62% em junho e acumula perda de 4,37% nos primeiros seis meses do ano.A primeira metade do ano premiou os investidores conservadores, que optaram pela renda fixa (CDBs, fundos de renda fixa, DI e caderneta). Nesse mercado, em que as aplicações são remuneradas por taxas de juro, alguns ganharam mais e outros, menos, mas todos levaram vantagem sobre a inflação pelo IGP-M, tanto em junho, quando houve deflação (inflação negativa) de 0,44%, como no semestre, quando esse indicador somou variação de 1,75%.Os investimentos em renda fixa tiraram proveito das seguidas elevações da taxa básica de juros, acomodada em 19,75% ao ano, que serve de referência para o cálculo do rendimento das aplicações remuneradas por juros - CDBs e títulos, públicos e privados, que formam a carteira dos fundos de investimento.O investidor conservador assegurou um ganho elevado correndo baixo risco, enquanto quem apostou na renda variável, atrás de uma rentabilidade maior na Bolsa, enfrentou uma coleção de adversidades, que vão dos juros altos e do estouro da crise política, internamente, a incertezas com a economia dos EUA e o salto do petróleo, no cenário externo.O dólar comercial deslizou puxado pela ampla oferta de divisas, trazidas pelas exportações, captações externas e, ainda, atraídas pelas atraentes taxas de juros. O mergulho mais acentuado do dólar começou quando o Tesouro suspendeu, em março, a compra de moeda americana e a realização de leilões de swap reverso - cujo efeito prático sobre o preço equivale à compra de dólar.O mercado financeiro dá hoje o pontapé aos negócios do segundo semestre tendo pela frente um cenário com dois focos de potencial instabilidade: a crise política e o petróleo. Um fator de alento, nesse quadro, são os claros sinais de inflação em queda e a possível redução do juro.

Agencia Estado,

01 de julho de 2005 | 10h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.