Renda menor e crédito caro fazem varejo cair

Em junho, o volume de vendas do comércio varejista recuou 0,4% em relação a maio e 2,7% comparativamente a junho de 2014, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. São dados do varejo restrito, que não contempla veículos, motos, partes e peças e materiais de construção. Incluídos esses itens, tem-se o varejo ampliado, que caiu bem mais: 0,8% no mês e 3,5% em relação a junho de 2014.

O Estado de S. Paulo

15 de agosto de 2015 | 03h00

A maioria dos indicadores do varejo é ruim. A receita de vendas, por exemplo, teve forte queda real. As vendas dos itens de maior valor, como automóveis e eletrodomésticos, foram afetadas porque o consumidor receia se endividar e o crédito ficou mais caro e escasso. E as dos itens de valor unitário menor, como alimentos e bebidas, caíram porque a inflação desgastou o poder aquisitivo das famílias ou porque o consumidor já não está empregado.

Nos últimos 12 meses, até junho, comparativamente aos 12 meses anteriores, as vendas de veículos caíram 13%, as de livros, jornais, revistas e papelaria diminuíram 9,1% e as de móveis e eletrodomésticos cederam 7,1%. Alguns itens merecem uma avaliação melhor.

As vendas dos hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo ficaram estagnadas entre maio e junho, diminuíram 2,7% em relação a junho de 2014 e 1,2% nos últimos 12 meses. As famílias fazem economia em itens essenciais, o que só em parte se explica pela alta dos preços dos alimentos. A comida farta na mesa é mais figura da propaganda oficial do que realidade.

O comportamento mais favorável está nas vendas de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e perfumaria, que cresceram 0,3% no mês, 6,2% entre os meses de junho de 2014 e 2015 e 6,6% nos últimos 12 meses. É indício de que os que mais dependem desses itens – ou seja, a população idosa – mantêm a renda: entre os maiores de 65 anos, a quase totalidade têm alguma cobertura previdenciária.

As vendas de equipamentos e material para escritório, informática e comunicação diminuíram entre maio e junho, mas aumentaram na comparação com igual mês do ano passado (+7,9%) e nos últimos 12 meses (+4,4%). Isso pode indicar que empresas e famílias empregam mais recursos em produtos – muitas vezes mais avançados do ponto de vista tecnológico – destinados à atividade profissional e ao estudo. Se isso resultar em mais produtividade será ótimo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.