Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Renner contrata bancos de investimento para oferta de mais de R$ 4 bilhões

Operação pode ocorrer já nas próximas semanas; objetivo seria angariar capital para eventual aquisição de concorrentes, como a C&A

Fernanda Guimarães, Talita Nascimento e Fabiana Holtz, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2021 | 16h45
Atualizado 16 de abril de 2021 | 23h34

Em meio à movimentação no mercado da moda com a proposta da Arezzo para comprar a Hering, a Lojas Renner contratou bancos de investimento para captar no mercado de cerca de R$ 4 bilhões, apurou o Estadão. Vão trabalhar nessa oferta instituições nacionais e internacionais, como Itaú BBA, Santander, Morgan Stanley, JP Morgan e BTG Pactual, afirmam fontes de mercado.

A expectativa é de que os recursos a serem captados sejam direcionados a aquisições. Isso porque o setor da moda sofreu muito a partir da crise que emergiu com a pandemia de covid-19, que deixou lojas fechadas como medida para conter a disseminação do novo coronavírus. 

Diante da expectativa de como será a utilização desses recursos da oferta, que está prevista para ocorrer nas próximas semanas, as ações da varejista encerrou o pregão de hoje com alta de 12%. Os papéis fecharam a R$ 46,90, colocando o valor de mercado da companhia gaúcha em R$ 37,3 bilhões. 

No mercado financeiro, uma das especulações entre investidores é de que a Renner esteja se capitalizando para a compra da concorrente C&A, que estaria querendo sair do Brasil

Sobre a expectativa de uma possível oferta de compra por parte da Renner, a C&A disse ontem, em nota: “A companhia segue intensamente focada no desenvolvimento dos seus planos de negócio e, como política, não comenta rumores ou especulações de mercado”.

A semana foi agitada para o mercado de moda. Para André Pimentel, sócio da Performa Partners, o setor vive um momento delicado. Há poucas empresas capitalizadas e que tiveram gestão bem-sucedida durante a crise. Dentre elas, podem ser citadas a Arezzo, e também o grupo Soma (dona de grifes como a Animale e Farm). A primeira negocia a compra da Hering e a segunda, a marca Shoulder. 

Ações em disparada

O varejo de vestuário voltou a registrar fortes altas no pregão desta sexta. Além da Renner e da Hering, que estão diretamente envolvidas em operações neste momento, as demais companhias do varejo de moda também dispararam. A Lojas Marisa teve valorização de 14,73%, seguida pela holandesa C&A, com ganho de 8,23%, e pela Riachuelo (Guararapes), com alta de 8,11%.

Tudo o que sabemos sobre:
FarmRennerC&amodavarejoLojas Marisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.