Free Images
Free Images

Rentabilidade anual da poupança volta a ganhar da inflação após 21 meses

Caderneta rendeu 8,33% em 12 meses até outubro, contra uma inflação de 7,87%, e garantiu um ganho real de 0,43%

O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2016 | 17h46

A rentabilidade anual da poupança no mês de outubro de 2016 aumentou para 8,33% contra 7,87% da inflação medida pelo IPCA, o que proporciona um ganho de poder aquisitivo do poupador de 0,43%. A poupança não conseguia ter ganho de poder diante do IPCA desde janeiro de 2015, segundo cálculos da Economatica. 

A remuneração da caderneta é formada por uma taxa fixa de 0,5% ao mês mais a Taxa Referencial (TR) - esse cálculo vale para quando a Selic está acima de 8,5% ao ano. Quando está abaixo desse patamar, a rentabilidade da poupança passa a ser de 70% da Selic, mais a TR. Atualmente, a Selic está em 14% ao ano. Vale a ressalva de que o cálculo do ganho real não é a simples subtração entre o ganho nominal da poupança e a inflação do período.

O ganho de poder aquisitivo em setembro de 2016 é o segundo maior registrado desde janeiro de 2014, com 0,58% descontado o IPCA. O melhor mês da amostra foi em julho de 2014, com 0,6% acima do IPCA. A maior perda da poupança foi registrada em novembro de 2015, quando a poupança teve -2,29% de perda de poder aquisitivo.

O último mês no qual a poupança teve ganho de poder aquisitivo em janelas de 12 meses foi em dezembro de 2014, quando a poupança rendeu 0,71% descontada a inflação medida pelo IPCA.

Para quem deixa o dinheiro na poupança sob a justificativa de que pode sacar a qualquer hora, é preciso prestar atenção: caso a retirada não seja feita na data de aniversário da aplicação, o investidor perde o já baixo rendimento. 

Alternativas. Especialistas indicam outros produtos de renda fixa para quem tem um perfil conservador, como o CDB (certificado de depósito bancário). Nesse caso, é importante negociar a taxa do CDI, que irá remunerar a aplicação. 

Os fundos DI também são uma opção no mercado de renda fixa. O primeiro passo é procurar quais fundos o banco escolhido oferece e qual á a taxa de administração, que deve ser, preferencialmente, menor do que 1,5%.

Essas aplicações, diferentemente da poupança, têm cobrança de Imposto de Renda. O tempo de aplicação vai definir a alíquota: se o dinheiro for resgatado até seis meses, a taxa é de 22,5%. Acima de dois anos, cai para 15%.

É preciso se informar também sobre o investimento mínimo requerido para cada aplicação. No Tesouro Direto, por exemplo, apenas R$ 30 são suficientes para começar a comprar títulos do governo.

Mais conteúdo sobre:
TRSelicImposto de Renda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.