bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Repasse do Tesouro ajudou Previdência, diz economista

O economista-chefe da corretora Tullett Prebon, Fernando Montero, avaliou que a melhora nas contas da Previdência no primeiro bimestre deve estar associada ao ressarcimento do Tesouro Nacional pelas perdas com a desoneração da folha de pagamentos. Em janeiro, o Tesouro transferiu R$ 968 milhões. Segundo Montero, é provável que tenha ocorrido outro repasse em montante semelhante em fevereiro. Os pagamentos do Tesouro à Previdência no ano passado só começaram em abril. Para ele, essa melhora não muda a perspectiva de déficit para o ano.

ADRIANA FERNANDES, Agencia Estado

18 de março de 2014 | 18h48

"Tenho que analisar melhor o comportamento das despesas. Mas o grosso da melhora tem a ver com o ressarcimento", explicou o especialista em contas públicas. O economista continua com a previsão de déficit de R$ 50 bilhões na Previdência este ano. "Eu fico com Garibaldi!", comentou Montero sobre a previsão de R$ 50 bilhões de rombo nas contas do INSS feita pelo ministro da Previdência, Garibaldi Alves. A estimativa feita pelo ministro causou mal-estar no governo, que ainda não foi superado.

O governo programa para este ano um repasse de R$ 11 bilhões como compensação das desonerações. Em 2013, os pagamentos somaram R$ 9 bilhões. A previsão que constava no Orçamento de 2014 era de R$ 17 bilhões, mas o governo reduziu a estimativa no decreto de programação orçamentária. A redução de R$ 6 bilhões ainda não foi explicada pela área econômica. Em 2014, o benefício da desoneração entrou em vigor para novos setores, fato que aumenta a especulação de que o governo subestimou essas despesas e pode empurrar parte delas para 2015.

Tudo o que sabemos sobre:
PrevidênciaTesourodesonerações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.