Representante dos minoritários diz que conselho é 'homologador'

Mauro Cunha, que vaideixar o cargo no conselho da Petrobrás, atacou a'incapacidade' de gestão do governo na estatal

FERNANDA GUIMARÃES, Antonio Pita e Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2015 | 02h05

Os acionistas minoritários precisam defender a Petrobrás de "abusos" e da "incapacidade" do governo na gestão da empresa. A avaliação é do conselheiro Mauro Cunha, representante dos minoritários na empresa e presidente da Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec).

As críticas foram feitas em carta para justificar a decisão de não concorrer à reeleição ao cargo na assembleia do próximo dia 29. Ontem, o representante dos funcionários no conselho classificou o colegiado de "homologador" de decisões do governo.

Segundo Cunha, que ocupa o cargo há dois anos, a decisão de sair se deve à sua "frustração pessoal" diante da "incapacidade do acionista controlador em agir com o devido grau de urgência para a reversão dos inúmeros problemas que trouxeram a Petrobrás à sua atual situação".

O conselheiro afirmou que a situação se agravou depois da última reunião de conselho, quando foi divulgada a pauta da próxima assembleia. "Faço votos de que a comunidade de acionistas e trabalhadores defendam a Petrobrás dos abusos cometidos contra a companhia."

Denúncias. A atuação de Mauro Cunha no colegiado foi marcado por questionamentos e denúncias à condução da empresa pelo acionista majoritário, a União.

Cunha constantemente votava contra as decisões do governo, o que provocou seu afastamento do comitê de auditoria da estatal no último ano. Ele também questionou os valores de ativos declarados pela estatal, como a Refinaria Abreu e Lima (Rnest), uma das principais obras investigadas pela Operação Lava Jato.

No último embate, Cunha criticou a indicação de Aldemir Bendine para a presidência da estatal, em fevereiro. Segundo ele, o governo havia imposto "sua vontade sobre os interesses da Petrobrás, ignorando o apelo dos investidores de longo prazo". Em diversos momentos Cunha disse temer "retaliações".

Silvio Sinedino, representante dos funcionários no conselho, defendeu o colega, ontem, e criticou a indicação dos presidentes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, e da mineradora Vale, Murilo Ferreira, para ocupar a presidência do conselho.

"O BNDES é o maior credor da Petrobrás, não tem como ser presidente do conselho da empresa. A Vale é sócia eventual. Ele (Ferreira) vai defender o lado da Vale ou da Petrobrás?", questionou. 

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.