finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Repsol-YPF prevê elevar a produção de gás na Bolívia

Petrolífera espanhola confirma planos de investir US$ 1,5 bilhão no país da América do Sul

REUTERS

26 de novembro de 2009 | 13h14

A petrolífera espanhola Repsol-YPF anunciou nesta quinta-feira que deve aumentar sua produção de gás natural na Bolívia, e confirmou planos de investir 1,5 bilhão de dólares no país.

A Repsol-YPF espera aumentar a produção, em dois dos maiores campos que possui na Bolívia, dos atuais 2 milhões de metros cúbicos diários para 14 milhões até 2013.

"(A Repsol) elevará a produção de Margarita e Huacaya dos atuais 2 milhões de metros cúbicos para 8 milhões até o primeiro trimestre de 2012", disse nesta quinta-feira o presidente da companhia, Antonio Brufau, após uma breve reunião com presidente da Bolívia, Evo Morales.

"Em uma segunda fase, a partir da metade de 2013, passaremos de 8 milhões de metros cúbicos por dia para 14 milhões", acrescentou.

O investimetno previsto para a companhia é, até o momento, o mais significativo em termos de hidrocarbonetos no país andino.

Depois da Venezuela, a Bolívia possui a segunda maior reserva de gás da região com uma produção diária que supera os 42 milhões de metros cúbicos por dia, grande parte é enviada para o Brasil.

Brufau confirmou o anúnciou feito pelo governo boliviano há dois meses de um investimento de 1,5 bilhão de dólares para os próximos cincos anos.

Segundo o presidente da petrolífera estatal boliviana, YPFB, Carlos Villegas, os volumes adicionais permitiram a Bolívia aumentar os envios de gás para a Argentina.

Atualmente a Bolívia envia até 7 milhões de metros cúbicos para a Argentina, pais para o qual deveria exportar até 27,7 milhões de metros cúbicos por dia, de acordo com contrato.

Na Bolívia também operam companhias como a Petrobras e a francesa Total.

(Reportagem de Diego Oré)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSGASREPSOL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.