Michael Reynolds /EFE
Michael Reynolds /EFE

Republicanos tentam limitar poder de Trump no comércio

Reação ocorre após a Casa Branca detalhar planos para tarifar as importações de aço e alumínio, numa medida que deve afetar duramente países como Brasil, Japão e Coreia do Sul

Associated Press

12 Março 2018 | 05h00

Legisladores republicanos estão tentando limitar os poderes do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, após a Casa Branca detalhar planos para tarifar as importações de aço e alumínio, numa medida que deve afetar duramente países como Brasil, Japão e Coreia do Sul.

O senador republicano Cory Gardner disse que o Congresso tem “algumas ferramentas legislativas à disposição para se opor à proposta de tarifação do governo”. “Eu acho que todo mundo no Congresso acredita que a abertura para novos mercados é boa para os Estados Unidos”, disse Gardner em uma entrevista à CBS.

O também republicano Jeff Flake, um crítico de Trump que busca reeleição neste ano, disse que vai entrar com um projeto para anular o decreto de Trump que impõe as tarifas sobre os metais. “Eu não estou dizendo que o que o presidente fez não seja popular em vários círculos, pois é”, disse Flake, acrescentando que “como um republicano que acredita no comércio livre, governo limitado, liberdade econômica, eu não posso ser reeleito no meu partido agora.”

Os congressistas republicanos estão preocupados de que a oposição pública aos planos de Donald Trump possa dividir o partido ou ser um tiro no pé. Legisladores temem as repercussões econômicas ou possíveis medidas retaliatórias de parceiros comerciais dos EUA, e estão buscando formas de frear Trump.

+ CIDA DAMASCO: Que tiro foi esse

Mas democratas importantes, como a senadora Elizabeth Warren apoiaram a postura de Trump, e devem complicar os esforços dos republicanos para atar as mãos do presidente.

“Quando o presidente diz que está colocando as tarifas na mesa, eu acho que isso é uma parte da reconstrução da nossa política comercial como um todo”, disse Warren, em uma entrevista à CNN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.