Reservas argentinas sobem após quase três semanas

As reservas internacionais da Argentina subiram hoje pela primeira vez em quase três semanas, graças ao abrandamento do fluxo de saída de dólares e aos controles cambiais que têm evitado a fuga de capital.

ROBERTO CARLOS DOS SANTOS, Agencia Estado

23 de novembro de 2011 | 07h26

As reservas argentinas subiram para cerca de US$ 46,06 bilhões, informou o Banco Central, em comunicado. Ontem, as reservas eram de US$ 46,01 bilhões. Segundo dados da instituição, em duas semanas saíram do sistema bancário cerca de US$ 1,76 bilhão em depósitos depois que o governo impôs, no dia 31 de outubro, novos controles de câmbio.

O movimento de saída ocorreu por temores de que o governo argentino poderia reeditar ações frequentemente usadas nas últimas décadas - como o confisco de depósitos e grandes desvalorizações da moeda.

O temor de que o governo da presidente Cristina Kirchner pudesse enfraquecer o peso abruptamente em resposta à inflação tem sido um dos principais fatores para as saídas de capital este ano.

Para tranquilizar os ânimos, o Banco Central da Argentina tomou uma posição firme no mercado de câmbio nas últimas semanas para manter a negociação com o peso em uma faixa restrita. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinareservas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.