Reservas do País crescem a 65% da velocidade da China

O Brasil já está acumulando reservas a 65% da velocidade da China, apesar de a economia brasileira ser 36% da chinesa, e o saldo em conta corrente previsto pelo mercado para 2007, de US$ 7,6 bilhões, ser 27 vezes menor do que a projeção do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o superávit em conta corrente chinês este ano, que é de US$ 206,5 bilhões.O ritmo de aumento das reservas internacionais nos 13 primeiros dias úteis de fevereiro, de US$ 505 milhões por dia, corresponderia a um aumento anual de US$ 127 bilhões. Isto significa que em 12 meses as reservas brasileiras ultrapassariam US$ 220 bilhões, com um aumento de 130%.A China, conhecida como o país que acumulou reservas de forma mais maciça nas últimas décadas, teve um ritmo de US$ 195 bilhões ano entre 2002 e 2006, o que fez o total aumentar de US$ 286 bilhões para US$ 1,066 trilhão em quatro anos.As reservas internacionais representam o total de moeda estrangeira (principalmente dólares, no caso brasileiro) mantido pelo Banco Central (BC), disponível para uso imediato. Elas têm origem nos superávits do balanço de pagamentos: toda vez que há uma entrada de moeda estrangeira, o BC realiza o câmbio, ficando com os dólares e pagando os exportadores em reais. Quando há mais entradas de dólares que saídas, o BC acumula reservas. Inversamente, quando o país é deficitário, há uma saída de divisas que o BC cobre fazendo uso das reservas acumuladas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.