carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Reservas tiveram peso maior para tornar Brasil credor

Dados do setor externo divulgados hoje pelo Banco Central mostram que o fato de o Brasil ter se tornado credor externo líquido em janeiro pode ser atribuído muito mais ao aumento das reservas e dos ativos de bancos no exterior que à própria queda da dívida externa. No mês passado, a posição credora do Brasil no exterior era de US$ 6,983 bilhões. Em dezembro, o País era devedor em US$ 4,343 bilhões.Conforme os dados divulgados hoje, as reservas internacionais aumentaram US$ 7,147 bilhões ou 3,98% de dezembro para janeiro. Com a elevação, o montante terminou janeiro em US$ 187,507 bilhões. Em igual trajetória, os ativos de bancos no exterior (haveres) cresceram US$ 2,738 bilhões ou 27,04% na mesma base de comparação, para US$ 12,864 bilhões. Os créditos brasileiros no exterior tiveram ligeira redução, de US$ 76 milhões ou 2,61%, para US$ 2,819 bilhões. Juntos, os três itens correspondem ao total dos ativos brasileiros no exterior, valor que somava US$ 203,190 bilhões em janeiro.Essa cifra foi suficiente para cobrir totalmente o total da dívida externa no mesmo período, que somava US$ 196,207 bilhões no final de janeiro. Esse valor é US$ 1,490 bilhão ou 0,75% menor que o registrado em dezembro.O chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, evitou fazer comentários a respeito dos números. Ele não quis avaliar, por exemplo, a surpresa de parte do mercado financeiro que acreditava que o País passaria a ser credor apenas em fevereiro ou março. Ele se limitou a avaliar que esse "indicador tem apresentado uma evolução muito positiva".

FERNANDO NAKAGAWA E FABIO GRANER, Agencia Estado

25 de fevereiro de 2008 | 13h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.