Reservatórios abrem as comportas por excesso de chuva

Dois meses após atingirem os níveis mínimos de segurança, os reservatórios das hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste começam a desperdiçar água por excesso de chuvas. Segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), usinas como Marimbondo, no rio Grande, e Corumbá, na Bacia do Paranaíba, tiveram que abrir as comportas nos últimos dias por falta de capacidade para armazenar o volume de água que desce os rios da região Sudeste. De acordo com o Informativo Preliminar Diário da Operação (IPDO) do ONS, o nível dos reservatórios do subsistema Sudeste/Centro-Oeste atingiu os 76,7% ontem. São mais de 20 pontos porcentuais acima do mínimo do ano, observado no final de janeiro, cenário que levou o governo a acionar um plano de emergência, acionando o maior número de térmicas possível para evitar riscos de racionamento. Os dados deste fim de semana apontam que importantes hidrelétricas do Sudeste/Centro-Oeste aproximam-se dos níveis máximos de armazenagem de água. O nível do reservatório da usina Corumbá IV, por exemplo, estava em 100% anteontem. Já as usinas Caconde, Furnas, Marimbondo, Corumbá I, Nova Ponte, estão, todas, acima dos 90%. Boa parte delas já está com as comportas abertas, em medida preventiva para evitar alagamentos.Marimbondo, no rio Grande, por exemplo, deixou passar 1 mil metros cúbicos de água por segundo no domingo. São Simão, no rio Paranaíba, verteu 879 metros cúbicos por segundo. No rio Pardo, as três usinas da AES Tietê (Caconde, Euclildes da Cunha e Armando Salles de Oliveira) também estão com as comportas abertas. Segundo informações do ONS, as águas do rio começam a se aproximar do nível das pontes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.