Respeito aos reajustes de tarifas de teles, pede Animec

Representantes da Associação Nacional de Investidores do Mercado de Capitais (Animec) pretendem encontrar-se com o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, para pedir que sejam respeitados os contratos para os reajustes de tarifas este mês das empresas de telefonia. Em carta enviada na semana passada ao ministro, o presidente da Animec, Luiz Waldir Corrêa, além de pedir uma audiência, diz que o descumprimento dos contratos prejudicará principalmente os acionistas minoritários das empresas de telefonia fixa. A entidade informa que vem recebendo questionamentos e reclamações de investidores nacionais e estrangeiros que detêm ações dessas empresas. A maior preocupação, segundo a Associação, é com "os efeitos negativos que uma eventual mudança na forma de cálculo das tarifas poderá provocar na cotação das suas ações numa perspectiva de curto, médio e longo prazos". Na carta, a Animec afirma que representa 8 milhões de acionistas minoritários de empresas de telecomunicações. E cita a Telemar e a Brasil Telecom como particularmente importantes, pois, segundo a entidade, essas empresas ocupam o 1º e 10º lugares entre as ações mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).Conseqüências para o mercado"Caso as regras a partir das quais os investidores basearam suas decisões de comprar ou manter em suas carteiras os papéis dessas empresas venham a ser compulsoriamente alteradas pelo Governo Federal, é de se esperar que um forte movimento de venda de ações ocorra", prevê a Animec. A carta alerta também para a possibilidade de a "frustração das expectativas dos investidores, especialmente os estrangeiros", afetar a retomada do fluxo de investimentos externos. "No momento em que, a partir da consolidação da confiança dos agentes econômicos no novo governo, se vislumbra a retomada do crescimento do mercado de capitais, a Animec não poderia deixar de apontar os riscos de uma decisão que pode vir a comprometer a consolidação dessa tendência".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.