Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Ressurgimento do vinil abre mercado para startups

Com falta crônica de maquinário para fabricantes de LPs, empresas desenvolvem prensas e inovam na masterização

The Economist

04 de junho de 2017 | 05h00


Para os jovens hipsters, assim como para os sentimentalistas de meia-idade, o ressurgimento dos discos de vinil é motivo de celebração. De 2010 para cá, as vendas de LPs triplicaram nos Estados Unidos. No Reino Unido, o setor obteve em 2016 seu maior faturamento nos últimos 25 anos. Os hipermercados vêm aumentando o espaço reservado à venda de discos e as vitrolas entraram para as listas de itens mais vendidos da Amazon.

Não tem sido fácil atender essa demanda. Os discos de vinil representavam 76% das vendas da indústria fonográfica em 1973; em 1994, com a ascensão dos CDs, sua participação se reduziu a 1,5%. Nessa altura, o grosso das fábricas de vinil havia fechado as portas e suas pesadas prensas hidráulicas jaziam abandonadas em ferros-velhos. Foram muito poucos os fabricantes que se mantiveram em atividade — basicamente, os que conseguiram se diversificar e entraram em novas áreas de impressão e produção. Mesmo nesses casos, porém, não houve mais investimentos em vinil, de modo que as poucas máquinas que continuam em funcionamento com frequência datam dos anos 1960.

A GZ Media, empresa checa que é a maior fabricante de vinil do mundo (responsável por cerca de 60% da produção total) e em 1987 punha anualmente no mercado mais de 13 milhões de discos, em 1993 fabricou apenas 200 mil LPs. Os pedidos voltaram a crescer substancialmente há dez anos, e agora as prensas da fabricante operam a pleno vapor, devendo produzir 24 milhões de discos de vinil em 2017.

Apesar de o vinil representar fração muito pequena do mercado global de música, as gravadoras inundam as poucas fabricantes ainda em atividade com encomendas volumosas, provocando atrasos na produção. A GZ Media só consegue atender os pedidos que recebe porque, desde 2014, passou a reformar e modernizar suas prensas mais antigas. Outras fabricantes também vêm aumentando sua capacidade de produção. Nos últimos anos, surgiram mais de dez fábricas de vinil na América do Norte, na Europa e em outros continentes.

A maior dor de cabeça é a falta crônica de maquinário. São comuns as histórias de gente que corre o mundo atrás de uma prensa antiga. Isso tem impulsionado os investimentos em novas opções. A Nordso Records, que inaugurou sua fábrica no ano passado, em Copenhague, na Dinamarca, optou por um novo modelo de prensa hidráulica, projetado pela Newbilt, uma startup alemã. A Newbilt já vendeu 25 dessas prensas para diversos países da Europa, a um preço de até € 500 mil (US$ 554 mil) cada. Como são manuais, elas precisam ser supervisionadas por um operador em cada etapa do processo, produzindo até 400 discos por dia.

Numa escala mais industrial, em 2015 a startup canadense Viryl Technologies começou a fabricar prensas, capazes de produzir até 1,2 mil discos num turno de oito horas. Há unidades em operação na América do Norte, Europa e Ásia.

Algumas dessas startups, que também oferecem manutenção para as prensas hidráulicas, acreditam que há margem para inovação no processo de masterização, isto é, a transferência do registro musical gravado para a matriz a partir da qual serão produzidas as cópias subsequentes. Um dos métodos envolve o corte de sulcos num disco de acetato, mas no mundo inteiro só duas empresas fabricam esses discos (uma é comandada por um velho casal japonês, que vive em Tóquio), e aqui também a produção não dá conta de atender a demanda. Uma segunda técnica utiliza matrizes de cobre, cuja oferta é mais abundante; mas há restrições, uma vez que o número de máquinas que fazem o “corte” desses discos é limitado: das 25 existentes em todo o mundo, quatro pertencem à GZ Media.

No ano passado, a empresa austríaca Rebeat Digital requereu a patente de uma tecnologia de masterização de “discos de vinil de alta definição”. O método produz uma imagem gerada por computador das músicas, antes de entalhar seu sinal sonoro a laser na matriz de acetato (em vez de utilizar uma agulha de corte). A empresa diz que isso reduz em 60% o tempo necessário para a produção de uma matriz. Mas os fãs do vinil ainda têm dúvidas sobre a qualidade sonora dos LPs produzidos com essa técnica.

Mesmo que a moda do vinil venha a perder um pouco de seu embalo atual, a manutenção das prensas em operação, assim como o fornecimento de peças sobressalentes, deve continuar abastecendo o caixa das startups. É pouco provável que a produção de LPs venha a ser totalmente interrompida, como no passado se imaginou. Muitos entusiastas do vinil hoje compram seus “bolachões” pelo Spotify, depois que, em 2014, o serviço de música por streaming passou a permitir que os músicos comercializassem mercadorias físicas em suas páginas de perfil. Outro indício promissor é o de que há mais jovens do que puristas cinquentões participando da onda: metade de todos os usuários que compram um LP pelo Spotify já o escutaram antes, online.

© 2017 THE ECONOMIST NEWSPAPER LIMITED. DIREITOS RESERVADOS. TRADUZIDO POR ALEXANDRE HUBNER, PUBLICADO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ESTÁ EM WWW.ECONOMIST.COM

Tudo o que sabemos sobre:
The Economistmúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.