Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Restaurante dá desconto de 50% para cliente que desligar o celular

Empresário de Jerusalém diz que a tecnologia dos smartphones ameaça a culinária e lança proposta de veto do aparelho na hora das refeições

AP,

25 de novembro de 2013 | 14h52

SÃO PAULO - O dono de um restaurante em uma aldeia árabe fora de Jerusalém chamou a atenção ao anunciar que está em uma missão para salvar a cultura culinária. Ele lançou uma promoção: desligue o seu celular e ganhe um desconto de 50% nos preços das refeições.

Jawdat Ibrahim diz que os smartphones estão acabando com a experiência de saborear um jantar. Ele espera que o desconto trará de volta uma época mais inocente, quando se podia ir a um restaurante em busca do prazer de uma boa conversa, acompanhada de uma boa comida, sem interrupções provocadas por telefonemas, mensagens de texto e conversas paralelas nas mesas ao redor.

Dono de restaurante diz que celular à mesa é ameaça à culinária

Smartphones. "Pode ser uma pequena mudança em um mundo invadido pela tecnologia, mas talvez, de alguma maneira, eu vou tentar mudar a cultura da refeição mais saudável", disse Ibrahim, de 49 anos. Para ter o desconto o freguês precisa realmente desligar o aparelho, pois as mensagens de texto também são vetadas.

Ibrahim é o proprietário do restaurante Abu Ghosh, próximo de Jerusalém. A região é conhecida como um símbolo de coexistência, e seus restaurantes servem pratos de hummus cremoso e carne grelhada, populares entre visitantes árabes e judeus.

Ibrahim abriu o restaurante em 1993, com ganhos de uma loteria de Illinois. Ele diz que as conversas durante as refeições têm sido prejudicadas no país obcecado pelo celular.

Mas a situação agravou-se nos últimos anos com os smartphones cada vez mais sofisticados.

Ele disse que fica espantado quando vê grupos de amigos ou casais sentados em silêncio, olhando para suas telas e, finalmente, pedindo-lhe para aquecer a comida.

"A tecnologia é muito boa, mas quando você come, especialmente quando você está com sua família e seus amigos, seria razoável que as pessoas fossem capazes de esperar por meia hora e desfrutar da comida e da boa companhia", comenta ele.

Convivência. Ibrahim está em uma posição melhor do que a maioria dos seus concorrentes para oferecer grandes descontos. Quando vivia nos EUA, na década de 1980, ele ganhou cerca de US$ 23 milhões em uma loteria do Estado de Illinois.

Desde que voltou à terra natal, ele tem usado seu status para promover a convivência entre árabes e judeus.

Em 2010, seu restaurante foi incluído no Guinness Book ao servir o maior prato de hummus do mundo - uma enorme mistura de quatro toneladas servido em uma antena parabólica.

A entrada do seu restaurante está coberta com artigos de jornais sobre ele. Uma carta emoldurada de ex-prefeito de Chicago, Richard M. Daley, agradece Ibrahim por uma refeição durante uma visita a Israel.

Segundo a empresa de pesquisa financeira Belus Capital Advisors, de Nova York, a proliferação de telefones celulares em restaurantes não é de todo ruim. Os comensais podem compartilhar fotos de suas refeições e fornecer recomendações aos amigos, enquanto os restaurantes podem se conectar com seus clientes.

"Para grupos de amigos, telefones celulares podem ser um acessório. Para alguém que deseja olhar nos olhos de seu amante à luz de velas durante o jantar, o brilho de um iPhone na testa do companheiro é definitivamente um obstáculo", diz um representante da empresa.

 

Uma pesquisa recente da Intel Corporation mostrou que um em cada cinco americanos adultos já compartilharam uma foto do prato durante a refeição e mais de um terço dos adolescentes já fizeram o mesmo.

Tendência. Ibrahim não é o primeiro dono de restaurante a tentar conter a tendência. Restaurantes do mundo inteiro oferecem descontos - geralmente muito mais baixos do que os oferecidos por Ibrahim - para os comensais que desligarem seus telefones. Alguns até já proíbem o uso de celulares no ambiente.

Samer Korban, sócio do Bedivere Eatery e do Tavern, em Beirute, disse que, desde a abertura há um ano, oferece 10% de desconto para as pessoas que entregam seus celulares na entrada e o retiram na saída.

"Queremos que as pessoas se socializam, em vez de sentar com seus telefones", disse ele , acrescentando que pelo menos 40% de seus clientes aproveitam a oferta.

O empresário admite que sairá perdendo financeiramente a curto prazo, mas acredita que a longo prazo o movimento vai compensar com a atração de novos clientes.

Ibrahim disse que praticamente todos os cliente que entraram no restaurante desde que começou a promoção aproveitaram a oferta. A única exceção, segundo ele, era tripulante de uma empresa aérea que precisava de seu telefone para fins de trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:
telefone celular

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.