Reprodução
Reprodução

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Restaurante especializado em restos de comida abre as portas na Inglaterra

Projeto combate o desperdício de alimentos e atende pessoas que estão em situação de 'insegurança alimentar'

Economia & Negócios,

14 de abril de 2014 | 12h54

LONDRES - Um restaurante que só utiliza restos de outros restaurantes e de supermercados abriu as portas na Inglaterra para oferecer refeições mais baratas para populações em situação de insegurança alimentar.

O projeto 'Junkfood Real' em Leeds, West Yorkshire, só serve refeições criadas a partir de alimentos que normalmente seriam enviados para aterros sanitários.

O fornecimento da matéria prima para o funcionamento do restaurante de restos vem de inúmeros restaurantes, supermercados e cafés da cidade que agora podem doar as sobras da sua produção.

O restaurante de restos vende comida a preços bem mais baratos ou até gratuitamente para quem não pode pagar.

Bom samaritano. No Brasil os restaurantes e supermercados respondem criminalmente caso uma pessoa sofra algum dano provocado por produtos doados.

Um projeto de lei (número 4747-98), conhecido como a Lei do Bom Samaritano, está no Congresso há 16 anos aguardando votação. O projeto isenta a indústria de alimentos da responsabilidade civil ou penal, para facilitar o funcionamento de bancos de alimentos destinados a ajudar a combater a fome e reduzir o desperdício.

Na Inglaterra, a equipe que criou o restaurante de restos visita grandes restaurantes e supermercados para negociar o reaproveitamento dos estoques de comida com prazo de validade em vias do vencimento.

Voluntários recolhem a comida que sobrou em outros estabelecimentos e prepara novas refeições, que variam a cada dia. Normalmente os pratos incluem carne e uma opção vegetariana, sanduíches e às vezes até uma sobremesa.

Salmão defumado. Entre os lotes de alimentos recebidos o projeto já recebeu trufas, salmão defumado, queijos de luxo e especiarias variadas.

 

O restaurante foi fundado em dezembro por cinco diretores e cerca de 50 voluntários.

Sam Joseph, de 24 anos, estudante e um dos diretores e também ajudante da cozinha, disse em entrevista do Dailly Mail que em fevereiro deste ano o restaurante salvou cerca de uma tonelada de alimentos de ir para o lixo.

Connor Walsh, de 23 anos, também diretor, conta que os preços cobrados variam de acordo com o cliente. "Gostamos de pensar que se alguém tem um pouco mais de dinheiro ele pode pagar um pouco mais. Mas, se uma pessoa não tem os meios para pagar e está com fome, nós vamos servi-lo da mesma forma".

Contra a fome. O projeto convida voluntários todos os dias para percorrer supermercados e restaurantes da cidade em busca de sobras.

A proposta é uma forma de luta contra o desperdício de alimentos, uma questão que preocupa autoridades e especialistas no assunto. Na Europa, o desperdício seria de cerca de 90 milhões de toneladas por ano, segundo estudos da União Europeia.

"Nós queremos fazer uso de toda essa comida que está sendo desperdiçado desnecessariamente sobre a sociedade, oferecendo refeições saudáveis para as pessoas que estão situação de insegurança alimentar", explica Connor Walsh.

Tudo o que sabemos sobre:
DesperdícioCombate à fome

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.