Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Restaurar o quê?

Em toda parte, a palavra de ordem que unifica o esforço dos governos para combater a recessão que desaba sobre a economia mundial é "restaurar". A palavra é atraente quando se vem de uma fase de prolongada prosperidade. Mas é enganosa.Nem tudo o que gerou a prosperidade vale a pena ser restaurado. Nem tudo o que moveu a prosperidade pode ser restaurado. Nem tudo o que explodiu com o fim da prosperidade precisa ser restaurado.Dentre o que não vale a pena restaurar estão as políticas regulatórias, que geraram a sensação de impunidade ao permitir o distanciamento exagerado entre o financiamento para a geração do crédito e o processo seletivo de risco que se espera do sistema de intermediação (o originate and distribute). O mesmo se aplica à política monetária que se tornou pró-cíclica, por ser dirigida excessivamente para evitar as correções cíclicas. Essas, por penosas que sejam, são necessárias para a saúde do sistema econômico baseado na economia de mercado. Também vale para a política fiscal expansionista com base no pressuposto de que, desde que a dívida pública não seja explosiva, seja possível aumentar a arrecadação e o baixo custo de financiamento da dívida nova; o céu é o limite para a expansão dos compromissos de gastos do governo.Por mais atraentes que sejam algumas características que moveram a grande prosperidade, elas não poderão ser restauradas, porque se quebraram alguns cristais ao se desfazerem certas ingenuidades globalizadas. Dentre elas a idéia de que mais comércio internacional é sempre sinal de maior estabilidade nas relações políticas internacionais, bastando apenas que os países concordem com regras mínimas de convivência, como as que deram origem à OMC. Mas pode ser listada sua coirmã, a idéia de que o sistema financeiro global, com regras (ou não-regras) semelhantes às da OMC, poderia fazer fluir o capital das economias em que o rendimento real é baixo e a poupança é alta para os países onde o rendimento real é atraente e a poupança, insuficiente. Na realidade, o aumento dos fluxos de capital não se deu dos grandes poupadores para os grandes investidores, o que confirma o chamado paradoxo de Feldstein-Horioka, de que, apesar da abertura, é a poupança doméstica o principal determinante do investimento. Além disso, regras muito diferentes entre os países não foram obstáculo ao trânsito de capitais, pois as ilusões de seguro contra desastres financeiros serviram de desculpa para que os alocadores de riqueza expusessem de forma irresponsável os recursos sob sua gestão a riscos que não sabiam calcular, motivados pela remuneração derivada dos resultados de curto prazo dos intermediários.É possível argüir que nem tudo precisa ser restaurado, porque as pessoas aprendem. A capacidade de discriminação de riscos deve aumentar como resultado de uma crise de confiança como a atual. Não há necessidade de burocratas ensinarem os poupadores a desconfiar dos produtos que lhes oferecem nem aumentarem as exigências de disclosure, porque, em grande medida, depois das perdas de riqueza, regulamentos excessivamente restritivos mais destroem a capacidade inovadora do que protegem os poupadores. Os reguladores precisarão refrear seus piores instintos, deixar espaço para as inovações financeiras que efetivamente baixem os custos da intermediação e tratar dos incentivos que aumentem a responsabilidade dos gestores de fundos de pensão, das agências de avaliação de risco e das auditorias, bloqueando um alinhamento de interesses que se tem mostrado danoso.Finalmente, agora que já não mais se discute se há ou não recessão nos EUA, o cuidado com o que se quer "restaurar" vale também para o keynesianismo mal digerido, segundo o qual bastaria o governo gastar para "restaurar" o pleno emprego. O princípio não valeu para a era Roosevelt, como chama a atenção o insuspeito Paul Krugman, cujo sucesso recente como articulista militante foi agora coroado pela respeitabilidade do merecido Prêmio Nobel. O New Deal parecia inspirar o programa de gastos que se esperava de Obama. Na realidade, pode vir a se transformar em importante fator de estímulo à oferta, pois a modernização da infra-estrutura vai diminuir o custo EUA. Enquanto o público olha para os gastos para a "restauração" de empregos, coisa que o próprio Krugman argumenta ser uma falsa leitura dos dados, Obama pode preparar um positivo choque de oferta, capaz de produzir mais crescimento no fim dessa recessão. *Dionísio Dias Carneiro, economista, é diretor da Galanto Consultoria e do Iepe/CdG

Dionísio Dias Carneiro*, O Estadao de S.Paulo

05 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.