Restos a pagar devem passar de R$ 60 bi, diz Bernardo

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse hoje que os restos a pagar do orçamento de 2009 "deverão passar de R$ 60 bilhões". O ministro, porém, ressaltou que esse não é um número fechado, apenas uma estimativa. Ele falou à imprensa ao deixar a reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com a Junta Orçamentária.

LEONARDO GOY E RENATO ANDRADE, Agencia Estado

28 de dezembro de 2009 | 19h56

Sem citar números mais detalhados, o ministro disse que a execução do orçamento de 2009 foi melhor que a de 2008. "Os pagamentos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), por exemplo, estão 40% acima dos do ano passado", disse.

Segundo ele, ainda este ano serão liberados recursos adicionais para o ministério da Defesa, além do pagamento de US$ 60 milhões a US$ 70 milhões a organismos multilaterais. Bernardo não informou qual o valor que será repassado para a Defesa, mas explicou que o dinheiro será usado para o pagamento da compra de helicópteros pela Aeronáutica, além de pagamentos de manutenção e compra de combustíveis. Já os recursos para organismos multilaterais deverão ser destinados à Corporação Andina de Fomento (CAF).

Bernardo informou ainda que, em janeiro, haverá uma reunião entre ele, Lula e os ministros da Fazenda, Guido Mantega, e da Casa Civil, Dilma Rousseff, para tratar de investimentos para os próximos anos, o que no governo vem sendo chamado de PAC 2. O ministro reconheceu que o orçamento de 2010 só deverá ser sancionado em janeiro, uma vez que o texto ainda não foi enviado do Congresso à Presidência.

Tudo o que sabemos sobre:
orçamentorestosBernardo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.