Restrição de supermercados afeta pouco preço da carne

A decisão das três maiores redes de supermercados no Brasil (Carrefour, Pão de Açúcar e Wal-Mart) de suspender as compras das fazendas denunciadas pelo Ministério Público do Estado do Pará envolvidas no desmatamento da Amazônia, e de notificar os frigoríficos fornecedores, não deverá trazer grandes alterações no mercado de carne bovina e do boi gordo. Isso porque a carne proveniente da região envolvida na ação do Ministério Público é utilizada para abastecer o Nordeste e não os grandes centros consumidores do Sudeste, ou seja, os volumes envolvidos são relativamente baixos perto das compras gerais das três redes supermercadistas.

ALEXANDRE INACIO, Agencia Estado

12 de junho de 2009 | 16h06

Segundo analistas, o controle sobre a movimentação de carne no mercado interno não é dos mais rigorosos. "É bastante comum a venda do chamado boi casado entre frigoríficos. Na prática, uma empresa de Mato Grosso poderia comprar um traseiro ou dianteiro bovino de outra que esteja no Pará e que abateu os animais. O frigorífico de Mato Grosso desossaria essa carne e a venderia para o supermercado sem a guia de trânsito, afinal, não houve trânsito de animais e sim de cortes", afirma Marcelo Gumiero, analista da Coinvalores.

Na nota conjunta enviada pelas três redes, umas das medidas que passará a ser cobrada é exatamente a Guia de Trânsito Animal (GTA), que pode facilmente ser driblada pelos frigoríficos. "A posição definida pelas empresas inclui notificar os frigoríficos, suspender compras das fazendas denunciadas pelo Ministério Público do Estado do Pará e exigir dos frigoríficos as Guias de Trânsito Animal anexadas às Notas Fiscais", diz a nota.

Uma medida adicional anunciada pelos supermercados e que também deverá ter pouco efeito é sobre a auditoria que irão cobrar dos frigoríficos. Atualmente, o Ministério da Agricultura já faz uma criteriosa auditoria individual das fazendas que podem fornecer animais para os frigoríficos que exportam para a União Europeia (UE). Essas fazendas são classificadas como Estabelecimentos Rurais Aprovados Sisbov (Eras) e atualmente são 1.019 propriedades nessa condição. A diferença, no entanto, está no preço pago pela carne. Enquanto a Europa paga US$ 9.000,00 pela tonelada de carne dentro dessas condições, o preço médio do comércio no atacado nacional é de aproximadamente US$ 2.500,00 a tonelada. "Não creio que os supermercados irão pagar tanto a mais pela auditoria para abastecer uma região onde as pessoas têm menor poder aquisitivo. De qualquer forma, vamos esperar para ver o que acontece", afirma Gumiero.

Tudo o que sabemos sobre:
supermercadoscarnesAmazônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.