Resultado da Petrobras favorece ações da empresa

Depois da divulgação do lucro da Petrobras de R$ 4,5 bilhões, as ações da companhia subiram forte na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). No início da tarde, as ordinárias (ON, com direito a voto) acumulavam ganho de 4,28% e as preferenciais (PN, sem direito a voto) registravam ganhos de 2,78%. O Ibovespa - índice que mede a valorização das ações de empresas mais negociadas na Bovespa -, no entanto, registrava queda de 1,92%.Mesmo sem ser uma surpresa para todos, o resultado da Petrobras confirma as projeções mais otimistas para o lucro da empresa neste ano, estimado entre R$ 7 bilhões e R$ 9 bilhões. A receita da estatal, que vem de um bem-sucedido lançamento de ações no Brasil e no exterior, tem sido beneficiada pelo repasse da alta do petróleo aos preços dos combustíveis. Hoje saiu a nova prévia da carteira teórica do Ibovespa. As principais mudanças são a entrada da Bradespar e o retorno da Telesp. A Globocabo foi destaque entre as empresas que ganharam participação, enquanto Eletrobras destacou-se entre as que perderam peso, o que contribui para a baixa do papel da estatal - queda de 3,96%. No mercado de câmbio foram registradas poucas oscilações. O dólar comercial variou entre a máxima de R$ 1,8090 e a mínima de R$ 1,8040. O saldo das operações cambiais continua positivo - entrada de dólares maior que a saída e a perspectiva é que continue assim nos próximos dias. Há pouco estava cotado a R$ 1,8090 na ponta de venda dos negócios - o patamar máximo atingido no dia. Juros sobem um poucoAs taxas de juros subiram um pouco nos contratos com vencimento futuro. Operadores acreditam que o movimento representa apenas uma adequação das taxas, já que elas caíram muito nos últimos dias. No início da tarde, os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagavam juros de 17,090% ao ano, frente a 16,900% ao ano registrados ontem no fechamento do dia. Diante disso, analistas começam a questionar se realmente o cenário econômico permite que o Comitê de Política Monetária (Copom) reduza novamente a taxa básica de juros - Selic - nos dias 22 e 23 de agosto, quando acontece a próxima reunião para reavaliação das taxas. Mas continua a expectativa de que a Selic cairá pelo menos mais um ponto até o final do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.