Resultado do PIB não afeta política fiscal, diz Kawall

O secretário do Tesouro Nacional, Carlos Kawall, afirmou nesta quinta-feira que o crescimento do PIB no segundo trimestre do ano não afeta a política fiscal do governo. Segundo ele, a cada dois meses o comportamento da economia, e sobretudo das receitas, é analisado para que sejam tomadas medidas de ajuste, com objetivo de cumprir a meta de superávit primário. "Até setembro, faremos essa análise, mas até o momento temos a situação (do superávit primário) dentro do previsto", disse.Para ele, o PIB veio no limite inferior das expectativas, ficando um pouco abaixo da média esperada pelo mercado. "Mas temos confiança de que os indicadores do terceiro trimestre mostrarão uma recuperação da economia. A política monetária está contribuindo para esta direção." Na quarta-feira, o Banco Central reduziu os juros básicos da economia em 0,5 ponto porcentual, para 14,25% ao ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.