Resultado fiscal refletirá retomada da atividade, diz BC

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Túlio Maciel, disse nesta sexta-feira que a programação de superávit primário está sendo cumprida até o momento, apesar do volume que ainda falta para a instituição atingir nos últimos quatro meses do ano a meta de R$ 139,8 bilhões. Segundo ele, os últimos meses de 2012 devem registrar um aumento das receitas.

CÉLIA FROUFE E EDUARDO CUCOLO, Agencia Estado

28 de setembro de 2012 | 12h05

"A partir da retomada esperada para a economia, os resultados serão melhores. A dinâmica é diferente da de 2011", afirmou. No ano até o mês de agosto, o superávit primário está em R$ 74,225 bilhões, conforme informou nesta sexta-feira o BC. "A maior atividade no fim do ano vai repercutir nas receitas. E vamos ter resultados melhores no último quadrimestre", previu.

Maciel afirmou que a autoridade monetária "sempre considerou" a meta nominal , que este ano é de R$ 139,8 bilhões, para o cumprimento do superávit primário.

O diretor de política econômica do BC, Carlos Hamilton de Araújo, apresentou nesta quinta-feira (27) a taxa de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) para o superávit deste ano em sua apresentação no Relatório Trimestral de Inflação (RTI). Em seguida, ele se corrigiu e disse que o porcentual perseguido pela entidade é de 3,1%. "O cenário do BC é de cumprimento da meta em termos plenos", afirmou.

A questão do porcentual em relação ao do PIB usado ontem pelo diretor, segundo Maciel, é que o valor de R$ 139,8 bilhões corresponde a uma faixa próxima a esse nível. "Esse porcentual pode oscilar, conforme oscila o porcentual do PIB. Pode ser de 3,6%, de 3,5%, de 3,12%, de 2,99. Tudo isso é uma oscilação entre 3% e 3,1%", minimizou.

Maciel garantiu que "a meta não muda" e que o BC continua a trabalhar com a meta de R$ 139,8 bilhões. "A correspondência desse nominal é que oscila nominalmente", reforçou. Segundo ele, é comum o BC se expressar por porcentuais do PIB, porque o parâmetro é utilizado nos modelos do banco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.