Retomada de reformas após eleições seria positiva, aponta Fitch

A agência de classificação de risco Fitch Ratings disse hoje que a retomada das reformas, após as eleições municipais, seria positiva para a qualidade do crédito soberano do Brasil. Num relatório sobre o País divulgado hoje (e que já era programado) a agência disse que o "crescimento de médio prazo robusto depende das reformas microeconômicas que vêm se arrastando nesse governo". A agência alertou que a "fatiga nas reformas e especialmente o abandono da atual rota de política econômica sólida poderia afastar melhoras" nos ratings soberanos do país. A Fitch elevou a nota soberana do Brasil para ´BB-´ no dia 29 de setembro passado.A agência observou que a renda real e o nível de emprego começaram a subir, o mesmo acontecendo com o índice de aprovação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A Fitch observou que a arrecadação de impostos tem sido "excepcional" neste ano por causa do crescimento econômico e por causa da reforma tributária adotada no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.